quinta-feira, 27 de julho de 2017

Como Não Conseguir Uma Transferência No Trabalho - Parte III

Olá pessoal - tudo bem ? Eu achava que iria fazer apenas a postagem de fechamento de patrimonio no final do mês, mas nos ultimos dois dias aconteceram algumas coisas que eu acho importante dividir com todos os colegas que acompanham o blog.

Se voces estão lembrados. eu comentei em outa postagem (clique aqui), sobre como foi o processo de seleção para uma vaga em outro pais (transferencia pela mesma empresa) e também comentei como o meu nome perdeu essa disputa e meu ex-chefe conseguiu emplacar a própria transferencia para outro país. Como agora eu vou relatar algumas surpresas que tive nos ultimos dias, eu sugiro que voces leiam antes as primeiras postagens para entender a história por completo.

Mas indo diretamente ao motivo dessa postagem, eu estava voltando para casa na terça feira quando meu atual chefe me ligou e perguntou se eu podia falar alguns minutos. Eu estacionei o carro e começamos a conversar. Meu chefe comentou que apareceu uma oportunidade de transferencia interna e que ele gostaria de indicar meu nome para a posição, mas queria antes conversar comigo. Eu comentei que já tinha passado por experiencias não muito boas dentro desses processos de seleção internos, mas que estava totalmente aberto para escutar e entender qual era a oportunidade.

Como esse meu atual chefe sabe o que ocorreu no meu processo de seleção anterior, ele comentou que achava que eu iria me surpreender bastante com a oportunidade e com quem havia já recomendado meu nome. 

Deixando de enrolação e indo direto ao ponto - meu antigo chefe (que está nos Estados Unidos) foi promovido por lá. Essa promoção envolve uma transferência para outra divisão da empresa e, por esse motivo, ele precisa achar um substituto para o lugar dele. Enquanto isso, a sede da empresa também está mudando de cidade, sendo que hoje a sede está localizada no Oeste dos USA e a mudança será para uma cidade no Leste dos USA. Esse tipo de mudança de localidade nao foi bem recebida pelos funcionários, pois muitos deles estão na cidade há mais de 30 anos e nao querem se mudar - ainda mais uma mudança envolvendo outro Estado.

Após tentar emplacar um substituto local (que nao aceitou mudar de cidade), meu ex-chefe foi falar com um colega de mais alto escalão que responde pela area corporativa da empresa. Eu tenho um relacionamento muito bom com esse camarada do corporativo e ele, sabendo que eu já havia trabalhado com esse ex-chefe, sugeriu o meu nome para essa transferencia.

O meu ex-chefe achou uma boa ideia, afinal ele já conhece o meu trabalho. Além disso, eu nao trabalharia diretamente com ele e pensou que seria uma oportunidade para "apagar" eventuais mágoas que ficaram no primeiro processo de seleção, onde ele emplacou o nome dele para uma vaga que eu também estava participando.

Então, meu ex-chefe ligou para o chefe atual e perguntou se ele poderia me "liberar" para essa transferencia, caso ele conseguisse emplacar meu nome. O meu chefe atual falou que me liberaria se fosse uma boa oportunidade e informou o meu ex-chefe sobre os planos e projetos que eu estava desenvolvendo no Brasil, reafirmando que me "liberaria" se a proposta fosse boa e fizer sentido para minha carreira.

Por esse motivo, meu chefe atual estava me ligando e contando tudo isso. A intenção era saber se eu toparia uma transferencia para a nova sede da empresa nos Estados Unidos. A questão principal é que como meu chefe sabe que minha esposa está gravida e o Estagiário Pobre está a caminho, ele queria saber se do lado pessoal eu achava que seria o momento adequado para uma transferencia desse tipo.

Como esse tipo de oportunidade voce nunca pode negar de cara - eu disse que a principio estava tudo certo, que eu topava a transferencia desde que, como ele mesmo tinha já informado ao meu ex-chefe, a proposta seja interessante para minha carreira.

O meu chefe comentou de experiencias do periodo que ele morou nos Estados Unidos, contou algumas curiosidades e fechamos a conversa com a promessa dele de ligar para o meu ex-chefe e autorizar o contato dele diretamente comigo para falarmos da oportunidade.

Funcionário do alto escalão corporativo apoiando a transferencia do Executivo Pobre

Assim que cheguei em casa eu comentei sobre a conversa com minha esposa e começamos a avaliar o que seria interessante nessa oportunidade e quais seriam as consequencias com as coisas que temos aqui no Brasil. Quando estavamos no meio dessa conversa, meu telefone tocou e era meu ex-chefe. Eu, prontamente, coloquei o telefone no modo viva-voz para minha esposa escutar a conversa e fiz sinal para ele se manter em silencio.

A conversa com esse meu ex-chefe foi bem tranquila e objetiva. Ele comentou da promoção dele e que está indo para outra divisão, mas somente poderá assumir quando tiver o substituto colocado no lugar dele. Por isso ele tem urgencia em encontrar um substituto e fazer o processo de forma rápida. Comentou também que havia tentado promover algumas pessoas locais, mas eles se recusaram a mudar de cidade e isso havia aberto as portas para ele tentar trazer alguem de fora do país. Ele havia pensado no meu nome e queria saber se havia interesse da minha parte.

Conversamos um pouco para entender a função (que eu ja sabia pelo processo de seleção anterior), peguei as impressões dele sobre essa experiencia já que ele está lá há algum tempo e perguntei quais as principais dificuldades que ele estava enfrentando. Mantive minha posição de que eu toparia essa transferencia e ele começou a detalhar alguns beneficios que ele teve na transferencia dele e que iria tentar formalizar com o RH para manter na minha transferencia.

O ponto principal é que haveria uma mudança no regime de contrato. Isso quer dizer que eu nao iria como um expatriado (contrato base no Brasil com transferencia para o exterior), mas iria com um contrato local, ou seja, funcionário diretamente da empresa nos USA. Entretanto, ainda havia uma possibilidade de eu ir como funcionário corporativo, porque o contato dele no time corporativo (que eu tenho boas relações) estava considerando promover a posição para ser responsavel pela região Américas - e com essa mudança no nivel de responsabilidade, justificaria ter contrato com o Coporativo (sediado na Europa), mas com local de trabalho nos Estados Unidos, pois é onde se encontra o maior numero de projetos e clientes.

No dia seguinte pela manhã, esse colega do corporativo me ligou e comentou novamente sobre a oportunidade e colocou os detalhes dos projetos e clientes, escopo da função, responsabilidades, etc...
Conversamos bastante e ao final ele disse que iria junto com meu ex-chefe falar com o RH dos Estados Unidos para eles formalizarem uma proposta (salários e beneficios) o mais rapido possivel.

Portanto, eles devem conversar com o RH hoje e em pouco tempo eu devo descobrir qual é a proposta e também se realmente a vaga vai para frente (vai que algum americano considerado alto potencial decide aceitar a mudança).

Então, estamos na expectativa de talvez o Estagiário Pobre nascer em solo americano - e podermos aproveitar os beneficios da Terra do Tio Sam - claro que também vou ter de aprender a lidar com o lado nao tao bom do lugar, mas na avaliação geral o saldo é muito positivo.

Agora resta receber a proposta do RH e ver se financeiramente faz sentido e torcer para ser o escolhido para essa transferencia. E claro, controlar a ansiedade (essa é a parte mais dificil) !!!

Um grande abraço a todos,

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Posso Pegar um Atestado Médico Para Não Ir Trabalhar e Ir Viajar ?

Olá pessoal - tudo bem ? Muitas coisas acontecendo no trabalho e também estou enfrentando as primeiras despesas com compra de móveis e adequação do quarto para o Estagiário Pobre. Todas essas coisas eu vou contar em uma postagem futura, porque fiquei sabendo de algo que me chamou muito a atenção - eu participei de um aniversário em familia e houve presença de diversos familiares que não se encontram com muita frequencia.

Um tio compareceu (ele é meu padrinho de casamento) e a gente sempre conversa bastante sobre viagens, porque ja tivemos a oportunidade de viajar para os USA e como ele nao fala Inglês, eu ajudei ele durante toda a viagem e ele ficou muito agradecido.

Esse tio tem tres filhos (um homem e duas mulheres) e, segundo ele mesmo diz, essa foi a pior coisa que ele fez na vida porque "só colocou gente irresponsável no mundo". Eu sempre achei meio estranho a forma como ele falava dos próprios filhos, mas depois eu fui crescendo e entendendo o que ele queria dizer com aquelas palavras.

Indo direto a questão - esse meu tio e a esposa estão planejando uma viagem de 30 dias para visitar a Europa. Eles vao conhecer diversos países e vai ser a primeira vez que visitarão a Europa - estão muito ansiosos e animados com a viagem. Obviamente que um filho se "convidou" para ir, outra filha se convidou para ir e quando foi ver, a coisa toda virou uma viagem com sete pessoas (filhos, filhas, noras e genros).

Como meu tio é empresário e tem boa situação financeira, ele está financiando o passeio. Então, a parte financeira não será um problema para os filhos, entretanto, um outro problema apareceu.

A filha mais nova trabalha em uma empresa e ela está por lá faz 10 meses. Isso quer dizer que ela ainda nao tem direito a ferias. Além disso, ela nao havia comentado com ninguém que pretendia fazer essa viagem e não negociou nada com a empresa para se ausentar durante o período.

Aqui cabe uma pausa para relembrar que essa filha tem 35 anos, casou durante alguns meses e logo separou pois estava tendo um caso com o professor da faculdade e o marido descobriu, ganhou um apartamento do pai (ele deu um imóvel para cada um dos filhos) mas vai todo dia pegar comida e roupa lavada na casa da mãe porque ela não gosta de fazer trabalhos domésticos. Neste momento, está inclusive planejando voltar a morar com os pais porque ai a coisa fica mais fácil para ela poder se dedicar ao "trabalho e a carreira".

Com esse pensamento, essa minha prima chegou na festa e procurou uma conhecida que é juiza do trabalho e estava presente também na mesma festa. 

Com a questão da viagem na cabeça, ela perguntou se poderia dividir as ferias em dois períodos de 15 dias. A juiza explicou que essa decisão era da empresa, mas que na maior parte dos casos, quando voce negocia com a empresa eles acabam concordando em dividir as férias em dois períodos, até para nao ter um funcionário ausente por 30 dias consecutivos, o que seria ruim para a empresa. E todo esse tramite esta de acordo com a legislação vigente.

A prima ficou toda feliz e disse que o problema estava resolvido e ela poderia então sair para viajar os 30 dias. A juíza estranhou e perguntou como o problema estava resolvido, se ela queria dividir as ferias em dois períodos de 15 dias e pretendia viajar por 30 dias ... de cara, havia um problema com 15 dias da viagem.

A minha prima (ferrenha critica dos políticos brasileiros corruptos) disse que estava tudo certo porque ela iria conseguir um atestado com uma amiga dela que é fisioterapeuta e pegaria os outros 15 dias.

A juíza então explicou que em primeiro lugar aquilo seria crime e se descobrissem ela poderia ser demitida por justa causa; em segundo lugar ela precisaria de um atestado de um médico e não de um laudo do fisioterapeuta ... e por curiosidade, a juíza perguntou porque ela queria dividir as ferias, já que se ela pegasse os 30 dias de férias ela poderia viajar os 30 dias e não precisaria recorrer a nenhuma estratégia para justificar a ausência dela.

Minha prima explicou que não tinha direito a 30 dias de ferias porque trabalhava na empresa há 10 meses ... a juíza então explicou o que eu estava há 03 horas tentando explicar ... você só tem direito as ferias depois de 12 meses consecutivos de trabalho. Se voce trabalha há 11 meses em um lugar, voce nao tem direito a nenhum dia de férias (tirando situação de rescisão contratual, mas ai é uma outra conversa)

A prima alegou que ela queria dividir as ferias - 15 dias para 06 meses trabalhados e outros quinze dias para os  outros 06 meses ... a juíza riu bastante e explicou que não funcionava assim e que poderia dividir as ferias, mas somente depois de cumprir o período minimo de 12 meses.

Logico que como todo "cidadão de bem", a minha prima começou a criticar os políticos que aprovam esse tipo de lei trabalhista, políticos que roubam e não deixam um pobre trabalhador como ela descansar quinze dias após seis meses de trabalho, etc... A juíza logo lembrou que mesmo que a lei fosse como minha prima queria - ela ainda tinha outros quinze dias que ela estava querendo fazer igual ou pior do que os políticos que ela criticava, já que ela iria arrumar um falso atestado para poder viajar.

Tirando o constrangimento da situação, minha prima saiu de perto e foi conversar com outros parentes e a festa seguiu em frente. O pessoal foi viajar, aproveitou bastante, retornou da viagem e eu esqueci desse assunto.

Ontem, eu visitei esse tio porque ele queria falar da viagem e encontrei minha prima por lá. Perguntei como tinha sido a viagem, do que eles gostaram, do que nao gostaram, o que visitaram, etc...

No meio da conversa, minha prima perguntou se eu sabia de alguma oportunidade e poderia indicar ela na empresa onde eu trabalho. Disse que no momento não sabia de nenhuma vaga em aberto, mas se aparecesse algo eu comentaria com ela.

Aproveitei e perguntei se ela estava insatisfeita no trabalho dela e por isso estava buscando outra oportunidade. Ela me contou então que havia sido demitida. Eu me assustei e perguntei o que havia ocorrido.

Resumindo toda a história (que durou horas de lamentação e critica aos "empresarios ganansiosos" para quem ela trabalhava), ela arrumou um atestado falso e foi viajar. Precisou de um atestado para mais de 30 dias e por isso o médico "honesto" deu um atestado de indicação de cirurgia de menisco e 45 dias de recuperação.

Ela apresentou o atestado na empresa e disse que estava com a cirurgia marcada. E foi viajar feliz da vida ... e tirou um monte de fotos em cada ponto turistico que visitou, tirou fotos do "look do dia" e das comidas que estava provando ... e como nao podia deixar de fazer, pegou todas essas fotos e postou em redes sociais diversas.

O pessoal da empresa viu as fotos e comentou com o chefe dela na empresa - o chefe dela encaminhou a situação para o RH e quando ela voltou, precisava fazer uma pericia no INSS - pois o afastamento havia sido superior a 14 dias. Claro que na pericia já deu problema e a coisa ficou estranha ... no mesmo dia, a empresa chamou ela e demitiu por justa causa.

Agora ela esta tentando arrumar emprego e claro, criticando os nossos políticos corruptos - porque se o pais não tivesse em crise, ela estaria trabalhando.

Um grande abraço,

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Atualização Patrimonial JUN/17 - R$ 247.920,74 (+0,78%)

Olá pessoal - tudo bem ? Estou novamente com algumas coisas corridas aqui no trabalho e por isso farei um rapido fechamento para nao deixar na mão os colegas que tem o trabalho de preparar os rankings de patrimonio. 


Esse mes nao houve aportes porque eu tive de pagar a advogada referente ao processo de cidadania portuguesa da minha avó - como eu comentei aqui no blog, eu verifiquei as despesas e coloquei para os filhos da minha avó que caso queiram também ter acesso aos documentos necessários para eles obterem a cidadania europeia, nós poderíamos dividir os custos de forma equivalente entre todos.

Os custos a que me refiro incluem as despesas com os honorários da advogada, despesas com certidões aqui no Brasil, despesas com apostilhamento dessas certidões e envio de documentos para Portugal.

A principio um dos tios se interessou pela cidadania e divisão dos custos, mas depois nao comentou mais nada e nao entrou em contato. Cmo eu disse em postagens anteriores, eu criei um grupo de Whatsapp para tratar desse assunto, mas esse deve ser o grupo menos movimentado que eu participo. Como depois desse interesse inicial, ninguem se manifestou, eu também evitei colocar qualquer mensagem adicional para nao parecer que eu estava forçando eles a aceitarem e fazer a divisão das despesas.

Por esse motivo, esse mes eu tive essa despesa extra com o pagamento da advogada que consumio o meu valor de aporte. Na verdade, além do pagamento da advogada eu também ja paguei pelas certidões + apostilhamento necessários para o processo de cidadania do meu pai - e vou dar mais esse passo em busca da minha nacionalidade europeia. A advogada estima um tempo entre tres e quatro meses para obtenção da cidadania do meu pai, a depender da conservatória que caia o pedido. Depois disso, mais um tramite de tres a quatro meses para a minha cidadania. 

Outra despesa adicional que terminou por consumir o aporte do mes foi a compra dos móveis do quarto do Estagiário Pobre (confirmado que é um menino). Portanto, essas sao as principais razoes para nao ter feito aporte nesse mes.

Ainda que sem aporte, o patrimonio aumentou em 0,78% (apesar de ainda nao ter atingido os 250K) - porém, no mes de Julho está previsto o aporte de 100% do meu salário pois a Sra EP ja começou a pagar todas as contas de casa. Na verdade, em Junho ela ja fez isso e apenas nao consegui aportar pelos motivos citados acima.

Também tenho uma viagem planejada (finalmente vou conseguir sair de férias), mas isso nao vai afetar os aportes uma vez que as despesas da viagem já estão pagas com o dinheiro que foi separado do 13 Salario (da Sra EP e meu) e com reserva para viagem que sempre mantemos.

Nas proximas semanas irei comprar uma ultima parte de moeda estrangeira e aguardar ansiosamente o dia do embarque. Sei que me comprometi a falar um pouco mais sobre os lugares que tive oportunidade de visitar (a trabalho e também a lazer) e acho que vou usar essa viagem para colocar essa proposta aqui no blog.

O local da minha viagem será California e pretendo dividir com voces as minhas observações sobre os californians e sobre o estilo de vida em uma parte que é muito diferente dos USA que conhecemos. A costa oeste é famosa por ter um clima mais informal, mais voltado a qualidade de vida do que o que vemos na costa leste - principalmente em New York.

Entao quero observar e dividir com voces as minhas impressoes sobre a California.

Por enquanto é isso pessoal - um grande abraço a todos.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

O Velho Debate Sobre Promoção no Trabalho

Olá pessoal - tudo bem ? Hoje eu li uma postagem do amigo Viver de Construção e decidi fazer uma postagem sobre o assunto em vez de simplesmente deixar um comentário onde nao seria possivel explicar o meu pensamento e colocar os detalhes que eu acredito ser importante.

Recomendo fortemente que voces cliquem no link e leiam a postagem do VDC para entender melhor o tema, mas basicamente o nosso amigo vem se dedicando bastante na empresa e procurando ser o melhor profissional na sua area, entregar trabalhos com muita qualidade, dentro do prazo e custo; e através desse perfil de excelencia passar a ser não somente considerado para promoções, mas efetivamente ocupar cargos mais altos no organograma. 

Esse é o pensamento que eu também sempre tive mas, infelizmente, esse pensamento não é o correto na filosofia corporativa aplicada na maior parte das empresas. Nós somos ensinados que para ser promovido voce tem de fazer um excelente trabalho, tem de dominar a sua atividade e entregar resultados de excelencia ... toda pessoa que quer ser promovida escuta isso em algum momento da vida e muitas vezes escuta isso da própria liderança como orientação para alçar voos mais altos na carreira. 

Mas vamos pensar juntos por um instante ... voce é um gestor e tem um funcionário que se destaca pela excelencia do trabalho que ele faz. Esse funcionário entrega todos os projetos dentro do prazo e dentro do custo. Frequentemente projetos que já estão com diversos problemas de atraso, com reclamações de cliente final e "orçamento estourado", esse profissional se empenha e resolve em um curto espaço de tempo ajudando inclusive a melhorar a imagem do seu departamento. Mesmo com projetos complexos e aparentemente "sem solução", o camarada vai lá e consegue resolver ... me pergunto: porque voce promoveria esse profissional ?

O gestor perde em duas frentes. Primeiro ele perde o "homem de confiança" dele, o cara que resolve todos os problemas, o cara que trabalha 80 horas na semana se precisar, o cara que atende telefone e responde emails durante final de semana, o cara que vira noites para resolver os problemas ... e o gestor também perde o "profissional promovido" pois a imagem que ele tem é de pessoa tecnica e nao de profissional gerencial. O profissional gerencial é aquele que tem relacionamento com todas as areas, que tem bom transito com todas as lideranças e, principalmente, que tem bom transito e é respeito pelos futuros subordinados. 

O gestor precisa ter a confiança de que esse profissional se for promovido irá solucionar os problemas gerenciais do equipe. E isso é muito diferente de solucionar problemas tecnicos - quando voce vira gestor voce tem de lidar com situações muito mais politicas do que tecnicas. Entregar os resultados da area nao é mais do que obrigação, mas alem disso voce tem de "vender" os resultados da area e se a pessoa nao consegue fazer isso quando ainda nao foi promovido (porque esta resolvendo os problemas tecnicos), o gestor nao acredita que a pessoa passara a fazer isso após a promoção.

Por esses motivos é importante (para quem quer ser promovido) aquelas apresentações em que o cara vende o trabalho dele como se ele tivesse encontrado a cura do cancer, como se ele tivesse a solução para a fome mundial ... sao os famosos "show-man".

O show-man é um profissional que tem um certo conhecimento tecnico (normalmente muito menos conhecimento do que o profissional que nao é show-man), mas vende isso de uma forma espetacular; é o cara que transforma qualquer conversa com a chefia em uma palestra sobre como ele é incrivel e faz coisas que os outros nao enxergam, é o cara que apresenta opinião e solução para cada problema da empresa, etc...

Existe duas formas de entrar no modo show-man ... o primeiro modo é voce realmente pensar nos problemas da empresa e começar a propor soluções reais para os problemas importantes, é voce pensar em otimizar o desempenho do time e propor melhorias atraves da influencia que voce tem sobre os colegas de trabalho. Dessa forma, o profissional mostra que tem pensamento estrategico, que tem visao de negocio e que tem influencia e respeito do time que ele possa liderar no futuro.

O outra forma (e mais utilizada) é puxar o saco do chefe, buscar cafe, elogiar desde a roupa que o cara esta usando até o carro que ele tem, marcar jantares e passeios junto com o chefe, se tornar amigo fora do ambiente de trabalho e com isso obter uma vantagem para uma promoção.

Eu gostaria de chegar aqui e falar que sempre que eu vi pessoas apostarem nessa segunda opção elas se deram mal, que nao foram promovidas ou se foram promovidas nao conseguiram dar conta do trabalho e acabaram por ser demitidas. Mas isso seria mentira - normalmente, eu vejo esses caras se dando bem. As vezes, eles se dão muito bem. E isso acontece porque relacionamento importa muito para promoção - voce nao promove o melhor profissional (claro que existe exceções) mas voce promove o profissional que voce se sente mais confortável.

Normalmente, nós ficamos mais confortáveis com quem gosta das mesmas coisas, com quem tem a mesma opinião, com quem pensa de forma parecida com a gente. Os show-man corporativos entendem isso e caso nao pensem igual os lideres - eles fingem que pensam. E isso vai ate o dia que eles se tornam lideres e ai outras pessoas passam a fingir que pensam igual eles.

Eu nao concordo com isso e nao apoio isso, mas infelizmente a vida é como ela é. Para ser promovido, o primeiro passo nao é ser muito bom no que faz (isso quase nunca importa) - o primeiro passo é ser proximo do seu chefe e fazer com que seu chefe se sinta confortável na sua presença. Não é ser seu amigo, mas é muito próximo disso.

Se voce tenta ser um excelente profissional tecnico, voce vai conseguir esse destaque - mas sempre correndo o risco de ser o profissional "insubstituível" da sua empresa. Se o seu chefe achar que ninguem vai fazer o trabalho tão bem quanto voce faz, porque ele iria te promover ?

Então pessoal - infelizmente no Brasil (e diversos outros paises) é assim - voce é promovido pelos seus relacionamentos e nao pelos seus resultados.

Conheci diversas pessoas que nao entregavam resultados consistentes, que nao eram os melhores tecnicos; mas faziam um trabalho mediano e eram muito bons em relacionamentos. Tenho colegas assim que não só foram promovidos, como hoje estão na Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos, Canada, etc...

A explicação para isso é muito simples - todo mundo gosta de ter alguem com quem nos sentimos confortáveis por perto. E se passamos muitas horas no trabalho, entao tentamos trazer essas pessoas proximas da gente. Quando o chefe vai sendo promovido ele vai promovendo também os mais próximos.

Eu gosto muito da sabedoria popular porque ela acumula anos de conhecimento de muitas pessoas diferentes ... lembra quando o pessoal falava que fulano foi promovido porque fazia parte da "panelinha" do chefe ? Então, é exatamente sobre isso que estou falando. Quem quer ser promovido em grandes organizações tem de fazer parte da panela do chefe.

Se voce tem um chefe muito profissional, voce vai conseguir entrar para "panela" dele se tornando um profissional de confiança porque entrega resultados e é muito bom no que faz. Mas o problema é que poucos chefes sao muito profissionais - na maior parte dos casos, o chefe avalia se voce sabe vender bem o seu trabalho (mesmo que nao seja espetacular), avalia se o resto do time respeita voce, avalia se voce é uma pessoa que ele se sente bem conversando, avalia se sera facil substituir voce na função atual caso ele te promova, etc ...

Portanto, é importante pensar na carreira e pensar ate onde estamos dispostos a atuar politicamente para chegar na posição que acreditamos ser a mais interessante no organograma. É muito importante avaliar também o estilo do chefe - estou aqui falando dos chefes não profissionais (que na minha opiniao, sao a maioria dos lideres que temos nas empresas), mas voce pode ter um lider extremamente profissional. Se esse for o caso, esqueça tudo o que eu falei antes, porque seu chefe ira fazer uma avaliação também profissional na hora de promover alguém.

E, finalmente, considero importante verificar se voce se sente preparado para fazer esse tipo de jogo politico e preparado para assumir uma função de liderança. Além do salário e beneficios que todos sabemos que é bem legal de receber, a promoção traz um lado um pouco mais sombrio. O profissional que assume cargo gerencial tem de estar preparado para dar feedback negativo para seu funcionário, preparado para dar feedback negativo de forma muito clara e direta para seu funcionário, preparado para demitir um funcionario, preparado para demitir um funcionário mesmo sabendo que o conjuge dele esta desempregado(a), mesmo sabendo que ele vai perder o plano de saude e tem dependentes doentes que precisam do plano, mesmo sabendo que ele se esforçou muito pela empresa e cansou de ficar ate mais tarde e trabalhar final de semana, preparado para chamar a atenção do funcionário que está enrolando, que chega atrasado do almoço, que falta sem justificativa; preparado para negar um aumento de salário ou uma promoção; preparado para dar más noticias a equipe.

A parte boa da liderança é fácil - todo mundo quer chamar o funcionário e dar um aumento. Essa é a parte facil e tranquila. Muito dificil é voce ter de demitir um funcionário porque a empresa esta propondo redução de custo devido as condições de mercado (acreditem, é muito dificil).

Além de estar preparado para tudo isso que citei acima (e muito mais), ainda tem de lembrar de manter os relacionamentos pois voce também precisa manter a sua posição que lutou tanto para conquistar.

Portanto, é muito legal ter um chefe profissional que te avalia pelo seu conhecimento e resultados; mas se esse nao é o caso e voce quer muito ser promovido (ponderando todos os riscos associados) nao adianta manter esperanças de que vai crescer na mesma empresa. O caminho é procurar uma oportunidade mais adequada em outro lugar.

Desculpem o post maior do que o planejado, mas esse tema é muito interessante já que todos estamos buscando a IF e uma promoção sempre ajuda a aumentar os aportes.

Atualmente eu tenho um chefe que é uma mistura de chefe profissional e chefe nao profissional (vou deixar para contar mais em postagens futuras) ... e voces ? Como foi situação de ser promovido ou deixado de lado em uma promoção ? Como é o chefe de voces ? Tem esse tipo de fator politico na empresa onde trabalham ?

Um grande abraço,

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Perspectivas para o Futuro Proximo

Ola pessoal - tudo bem ? Estive ausente na ultima semana devido a uma viagem profissional. Estou devendo as atualizações das viagens que tive a oportunidade de fazer e também postagens com as minhas impressões dos lugares que visitei - vou procurar colocar um foco um pouco maior nessa vertente de viagens aqui no blog.

Mas enquanto isso, quero dividir com voces as perspectivas para o futuro próximo aqui na empresa e também avaliar as oportunidades que eu acredito estarem se apresentando nesse momento.

Como já comentado, voces sabem que a empresa onde trabalho está em um processo de fusao e aquisição com outra empresa do setor. Isso é uma oportunidade enorme, pois essa fusao cria uma gigante no setor, com numeros muito atrativos e isso pode gerar movimentações e promoções, o que é sempre muito bem vindo para dar um salto na carreira e também para ajudar no plano de independencia financeira.

O problema é que nesse processo, a junção dos profissionais que estão vindo da outra empresa e os profissionais da minha empresa atual forma um time com um grande excedente de pessoas. Como é comum nessas situações (quando uma empresa compra outra) provavelmente ocorrerão demissões.

As primeiras experiencias com a minha par na outra empresa nao foram das melhores. Nao tivemos nenhum tipo de problema, mas ela tem um perfil de gestão que eu nao concordo muito - me pareceu ser o tipo de pessoa que faz de tudo para crescer na empresa e atropela as outras pessoas (já confirmei isso com outras pessoas no mercado que já trabalharam com ela). Em um determinado momento (eu estimo um prazo de 03 meses) acredito que a sobreposição de funções vai trazer problemas e existe a chance real de eu ser dispensado pela empresa.

Em uma primeira análise eu fico razoavelmente tranquilo porque a Sra EP tem um contrato de trabalho que prevê estabilidade por periodo de 05 anos e o salário dela paga as despesas da casa (incluindo as despesas com a Estagiário Pobre - sim, é um menino !!!). Com um horizonte de relativa estabilidade pelos proximos 05 anos, eu tenho a possibilidade de procurar um n ovo trabalho com mais calma (caso eu for realmente demitido) ou mesmo aproveitar o mestrado e buscar dar aulas; sendo ainda possivel tentar buscar uma bolsa de doutorado e ser remunerado enquanto obtenho um titulo de Doutor.

Todas essas possibilidades permitem um retorno ao mundo corporativo através da justificativa de um periodo sabatico para fazer o doutorado. Isso pode ser uma alternativa interessante. 

Outro potencial caminho seria iniciar estudos para um concurso publico que me atrai mais pela função do que pelo salário: Agente Policia Federal ou Agente Fiscal do Trabalho. Essas duas carreiras me atraem bastante, mas são dos concursos mais concorridos. Acredito que um prazo de até 05 anos seria suficiente para avançar bastante nos estudos e passar a concorrer com chances de ser aprovado. Apesar de ser uma ideia interessante, acho que seria a menos provavel - nao acredito que eu teria coragem para me dedicar exclusivamente aos estudos sem garantia de ser aprovado, arriscando ter grandes dificuldades para voltar ao mercado de trabalho, caso necessário.

Porém, uma alternativa que vem cada vez mais chamando a minha atenção é a oportunidade de construir casas para venda. O meu pai fez isso durante algum tempo com resultados bem satisfatórios. Atualmente, com o dinheiro que tenho investido seria possivel comprar um terreno (ja tenho algo em vista que estou aprofundando as pesquisas) e tocar toda a construção; ainda mais porque como ja falei anteriomente, o salário da Sra EP paga as despesas de casa.

Estou pesquisando um terreno em cidade do interior com forte apelo turistico - terreno de 10 x 25, plano, em um loteamento bem localizado - cerca de 400 metros dos dois principais supermercados e da rodoviária e rua de comercio da cidade. O empreendimento me chamou a atenção pela localização e pela infra estrutura ja completa (asfalto, esgoto, sistema de aguas pluvias, agua potavel, iluminação, etc...). 

Em uma conta simples, eu acredito ser possivel adquirir o terreno por algo proximo a R$130.000,00 (o meu sogro já comprou um terreno nesse loteamento e pagou esse preço há 03 meses atras) e considero possivel construir com bom padrão de acabamento por R$1.000 / metro quadrado. Dessa forma, eu poderia fazer uma casa de 120 metros quadrados, totalizando o custo de terreno + casa por R$250.000,00

Tenho aqui uma vantagem que é a possibilidade de adquirir material de construção diretamente de um atacado (onde tenho colegas trabalhando) que poderia resultar em economia de até 30% no custo de material. Outro ponto de economia é que tenho um primo de minha confiança (pessoa muito responsável e competente) que é engenheiro civil e tem equipe para fazer a obra. No caso de construirmos duas casas (meu sogro e eu) conseguiríamos também um desconto no valor de mão de obra.

Desta forma, eu acredito ser possivel contruir por R$850 / metro quadrado - o que poderia elevar a area construida da casa para 141 metros quadrados, mantendo o mesmo custo total de R$250.000,00

Estou ainda amadurecendo a ideia, mas a principio estou com bastante vontade de aproveitar esse periodo de estabilidade da Sra EP para tentar iniciar alguns empreendimentos na construção civil, que poderia inclusive virar o meu trabalho oficial.

Considerando os R$250.000,00 (estou arredondando os valores) que tenho investido, seria possivel seguir com a compra do terreno e construção. Se eu continuar empregado - será possivel aportar 130K por ano e se eu for demitido, pegarei o dinheiro da rescisão e irei aportar enquanto a construção esta em andamento. De qualquer forma, a intenção seria trabalhar em uma potencial fonte de renda alternativa.

Apenas como referencia, os preços praticados na região estão em torno de R$450.000,00 a R$500.000,00 - mas eu penso em fazer um giro um pouco mais rapido, oferecendo uma casa maior e com bom acabamento, mas por um preço abaixo do mercado. A intençao nesse primeiro negocio seria testar a competencia da mao de obra e apurar os custos de material com mais detalhes - mas considero que tenho uma excelente margem para trabalhar.

Então é isso pessoal. Por enquanto essas sao as novidades. E voces - como esta o mercado no emprego de voces ? Alguem mais correndo risco de demissão ? Alguem mais pensando em alguma alternativa para renda ?

Um grande abraço,