sábado, 16 de agosto de 2014

Comentários sobre Insatisfação

Bom dia, pessoal !!!

Nesta semana, nos deparamos com a morte de Eduardo Campos (candidato a Presidência da Republica), um cara jovem e que deixa a esposa e filhos, inclusive filhos ainda pequenos. Também tivemos o suicídio do ator Robin Williams, que também deixa família e filhos - mais uma vitima da depressão.

É claro que todos os dias morrem pessoas - isso faz parte da vida. Mas algumas vezes, a morte inesperada de pessoas famosas nos faz parar para refletir sobre como estamos aproveitando a nossa própria vida. Acho que boa parte dessa reflexão se deve ao fato de que as pessoas famosas, em sua maioria, tem uma vida financeira confortável e um bom padrão de vida - exatamente o que estamos almejando conquistar através da Independência Financeira.

Claro que não estou falando que devemos nos conformar com a situação financeira atual e que devemos ficar estagnados. Acho que isso também não é saudável !!! Temos que ter a ambição de progredir na vida e a evolução financeira faz parte deste contexto - mas é apenas um dos aspectos que devemos considerar. 

Sempre me perguntei porque tem diversas pesquisas mostrando que as pessoas pobres são mais felizes (estamos falando de pobres, não de miseráveis ... estes, infelizmente, ainda estão lutando com as necessidades básicas do ser humano). E entre as conclusões de especialistas está a de que pessoas pobres são mais felizes porque elas tem expectativas mais baixas. Então, qualquer item que supere essas expectativas é um motivo de felicidade.

Na verdade, o que eu percebo é que essas pessoas se sentem mais felizes porque elas consomem poucos produtos (até porque a situação financeira não permite) e porque elas consomem mais experiencias (um almoço com família no domingo, um jogo de futebol na TV, um churrasco com amigos, uma ida até a praia, a formatura do filho(a), um bate papo com amigos no bar da esquina, etc...). 

É claro que mesmo essas experiencias tem custo - tudo na vida tem custo !!! Mas o custo de fazer um churrasco simples com amigos é bem menor do que o custo de ficar comprando roupas, carros, eletrônicos, etc...

No geral, percebo pelas conversas com amigos, familiares e  pelos comentários que leio nos blogs dos colegas; que a maioria das pessoas não está satisfeita com a forma como está vivendo. Perdemos muito tempo no transito, trabalhos com os quais não nos identificamos, falta de ética nos relacionamentos profissionais, problemas familiares, falta de exercícios e alimentação nada saudável, problemas de depressão e/ou ansiedade, etc...  E do outro lado, temos poucos prazeres na vida, uma vez que consumir gera apenas uma satisfação momentânea.



Um dos meus grandes prazeres na vida é viajar. Comecei a ter a oportunidade de viajar recentemente, coisa de 3 anos atras. Antes disso, tinha feito diversas viagens a trabalho - onde você vai do aeroporto para hotel, do hotel para empresa, da empresa para hotel, hotel para aeroporto. Não dá tempo para visitar nenhuma atração turística, comer uma comida tipica, conhecer a cultura local ...

Alguns anos atras eu decidi fazer uma viagem que sempre quis - e foi uma das melhores coisas que eu poderia fazer por mim mesmo. Tenho as recordações, as fotos e todo o aprendizado que ganhei com essa experiencia. Claro, que eu fiz a viagem dentro das minhas possibilidades. Eu procurei por passagem aérea em promoção, eu fico em hotéis baratos, ando de transporte publico e como comidas de rua e, as vezes, janto em restaurantes baratos.

Sempre uso os extras dos meus rendimentos (1/3 de adicional de férias, eventual restituição de IR, Horas Extras, etc ...) para poder viajar. Então, eu procuro me manter no orçamento mensal e aportar regularmente; e como recompensa, eu uso os extras e me dou uma viagem de presente. O destino da viagem depende de quanto eu consigo juntar de extras + promoções na época da viagem.

Nos últimos tempos, somando a insatisfação com o modo de vida que levamos nas grandes cidades e a minha vontade em viajar e consumir experiencias em outras culturas - eu vejo que um trabalho regular, trabalhando durante a semana e folgando final de semana (quando possível) e trabalhando 11 meses para descansar 20 dias; está muito longe de atender minhas expectativas.

Eu busco mais tempo livre para me dedicar a leitura e assuntos sobre II Guerra Mundial, gostaria de aprender a tocar baixo, gostaria de montar uma maquete de ferreomodelismo e, principalmente: gostaria de poder viajar mais. Quando você vê o tamanho do mundo e a diversidade existente - você percebe que ferias uma vez por ano não vão permitir que você conheça nem um quinto das coisas que gostaria.

E isso, se você tiver uma boa formação / idioma / pós graduação / contatos / experiencia / (um pouco de sorte) - que vão permitir que você tenha um trabalho com renda acima da média e que permita que você faça viagens, ainda que de baixo custo. Essa não é a realidade da imensa maioria do povo brasileiro.

Frequentemente, nós debatemos diversas formas para nos livrarmos dessa rotina e, entre as principais que eu consigo lembrar, estão: NEGOCIO PRÓPRIO e EMIGRAR para um local mais atrativo.

Eu penso muito nessas duas opções ... como negócio próprio, eu defendo a ideia de talvez abrir uma imobiliária, um posto de gasolina, uma pequena construtora, uma livraria ou um comercio em geral ...

Quanto a imigração a minha maior vontade seria Europa - pela qualidade de vida e cultura, além da posição geográfica (você pode conhecer vários países andando de trem) ou EUA / Canada pela cultura da meritocracia e pelas oportunidades (e onde eu tenho mais contatos também).

A duvida cruel é sempre em relação se vale a pena pegar o dinheiro que tenho disponível até o momento (pouco mais de R$120.000,00 porque a previdência só posso pegar com 55 anos de idade) e montar um pequeno negocio ou continuar nessa vida corporativa até conseguir juntar um patrimônio um pouco maior.

E vocês ? Qual o plano para o futuro ? 

Vocês estão satisfeitos com o esquema de trabalho 11 meses e 20 dias de ferias ? Estão satisfeitos com a carga de trabalho atual x salário ? Tem vontade de mudar para outro lugar ?

Um grande abraço,

39 comentários:

  1. Olá, EP. Belo post, como de costume. Eu creio que pessoas pobres, desde que tenham um mínimo para garantir sua dignidade, talvez, conscientemente ou não, acabam valorizando outros tipos de relações que não apenas aquelas monetárias.
    É bem conhecido que a partir de um certo nível de renda, acréscimos nessa renda não levam a uma sensação maior subjetiva de bem-estar, poderíamos dizer que a utilidade marginal de uma renda crescente para a satisfação pessoal vai decrescendo.
    Por isso, realmente temos que nos questionar o que queremos e que rumos estamos dando para as nossas vidas.
    Uma boa forma de sermos mais completos é sermos satisfeitos e apaixonados pelos nossos trabalhos, arrumarmos um trabalho e não apenas um emprego. É difícil, eu não consegui. Porém, tenho sempre a esperança de encontrar algo que realmente me dê satisfação, e talvez a IF me ajude nisso.
    Realmente, o mundo é muito grande, a gama de coisas para se aprender e experimentar é gigantesca. Se formos acrescentar ainda ajudar outras pessoas seja material, intelectual ou sensivelmente, o leque de coisas para se fazer aumenta muito.
    Eu creio que no meio desse turbilhão da vida contemporânea devemos procurar ser melhores pessoas, possuir relações comunitárias saudáveis, relações de amizades consolidadas, uma vida financeira equilibrada e procurar achar satisfação em pequenas coisas, não apenas nas consideradas "grandes".

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Surfista,
      Como vc eh prolixo. Ja ouviu falar em resumo? Textos monstros com pouco conteudo.

      Excluir
    2. Faça das palavas do Sô as minhas... acrescentando que o primeiro passo foi dado por você: o questinoamento! Depois do questionamento vem a reflexão e em seguida as ações. Sem querer soar clichê, colhemos o que plantamos, o rumo das nossas vidas está em nossas mãos. Trabalhar não deveria ser um sinônimo de martírio, mas muitos julgam que são tristes durante 11 meses e felizes durante 20 dias. Outros são infelizes o tempo todo pois não tiram férias. Ouros são mais plenos pois o trabalho é gratificante, com férias ou sem férias.

      Excluir
    3. Guardião da blogosfera16 de agosto de 2014 13:51

      Reparei que agora o surfista tem o seu hater pessoal. Quando o surfista comenta, o haterzinho fala besteira.
      Se está com preguiça de ler, não leia. O texto dele tem conteúdo sim, ao contrário do seu.

      Excluir
    4. Todas as pessoas que se destacam em algum lugar têm seus haters, não tem como fugir disto. Triste mas real.

      Excluir
    5. Soul surfer, obrigado pela visita e pelo comentário. A conclusão é exatamente esta: o mundo é muito grande e com muitas coisas para ver e aprender ... e o tempo de uma vida é insuficiente.

      Eu estou satisfeito com minha atual situação financeira, mas não estou satisfeito com o balanço entre trabalho e vida pessoal ... e não estou falando de carga de trabalho, mas sim de qualidade e ambiente de trabalho.

      Mas vamos em frente, temos que tentar aproveitar nosso tempo ao máximo. Só uma vida é pouco para tudo o que queremos e podemos fazer.

      Um grande abraço

      Excluir
    6. Uorrem , concordo plenamente. O desafio é encontrar uma atividade com mais sgnificado e operacionalizar a mudança buscando mais qualidade de vida. E mais qualidade de vida não significa menos trabalho, na verdade voce pode até trabalhar ainda mais caso encontrar um trabalho que te agrade e tenha um grande significado para você.

      Um grande abraço

      Excluir
  2. Adoro viajar, mas viajar de avião, especialmente com as empresas daqui, é uma experiência muito ruim. Não sei se é uma observação só minha, sempre o atendimento está muito aquém das expectativas. Atrasos, filas enormes para embarcar e desembarcar, mudanças repentinas de horário, serviço horroroso a bordo do avião, preço salgado, enfim, uma grande porcaria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçado que quando eu estou viajando tudo para mim é motivo de passeio. Quando vou comprar passagem de avião minha esposa até ri de mim pois escolho o maior número possível de conexões. Adoro ficar subindo e descendo em aeroporto, rs. Nenhuma fila é motivo de sofrimento quando você tem um bom livro em mãos, até gosto de filas e salas de consultórios pois são os momentos em que faço minhas melhores leituras.

      Excluir
    2. Uo acho que você é uma exceção. A maioria não gosta de fila e bem do atendimento das empresas aereas.

      Eu viajo bastante e concordo plenamente com o DH. Acho o atendimento e toda a experiência com empresas aéreas nacionais terrível de uma forma geral.

      Excluir
  3. Concordo contigo sobre a Europa, tanto que um dos meus objetivos é comprar um imóvel na Itália ou Áustria e com a cidadania italiana esse objetivo acaba sendo facilitado. Na Europa você esta centralizado e a facilidade para conhecer tanto a própria Europa e a Ásia fica mais fácil logisticamente, tanto através de viagens de trem como de avião, nos USA e Canadá você fica muito limitado em termos de conhecimento de novas culturas em comparação com a Europa, fora toda a história que é incomparável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com voce Fábio. A Europa é espetacular e também é minha primeira opção, apesar de talvez ser mais fácil emigrar para os EUA no meu caso, devido eu ter mais contatos que possam me proporcionar um trabalho nos EUA do que Europa.

      Eu, quase que por acaso, descobri que tenho direito a nacionalidade europeia através da minha avó e ja iniciei o processo.

      Vou falar um pouco mais sobre isso em uma postagem futura.

      Boa sorte com aquisição de imóvel por lá. Realmente, casa na Itália é coisa de sonho.

      Um grande abraço

      Excluir
  4. Somos muito parecidos nos objetivos e maneira de enxergar as coisas Executivo. Não sei se vc já chegou a ler meu blog, se já leu sabe do que estou falando.

    Tanto é que vou colocar seu blog na minha lista de blogs que leio. Quanto mais informação seguindo a mesma linha, melhor. Se puder adicionar o meu na sua lista, ficarei agradecido.

    Caso não tenha visto ainda, acho que esse post vai te agradar bastante: http://projetofreelifestyle.blogspot.com/2014/07/os-10-melhores-paises-para-viver.html


    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Mr Rover - muito bacana o seu blog e o material que tem por lá.

      Com certeza também vou te adicionar aqui.

      Muito obrigado pela visita e pelo comentário.

      Um grande abraço

      Excluir
  5. Respondendo às suas perguntas:

    Vocês estão satisfeitos com o esquema de trabalho 11 meses e 20 dias de ferias ?

    Desde que me formei, em 1999, nunca tirei férias, tiro sim alguns períodos de ausência da minha empresa (sou micro-empresário), no passo isto me fazia falta, confesso, pois é um saco ficar o tempo todo enfurnado dentro de um escritório. Mas desde que passei a trabalhar em casa (comecei em 2009), minha vida mudou muito, encontrei mais prazer no trabalho, dentre outras coisas. Férias de 30 dias corridos não me fazem falta, mas hoje tenho algo que muitos gostariam de ter: flexibilidade. Recentemente minha esposa fez um tratamento para engravidar, e isto demanadava inúmeras idas e vindas de médicos, hospitais, clinicas. Fiz questão de ir em tudo, inclusive nos pre-natais quando ela já estava gravida, e não precisei pedir permissão para chefe nenhum. Hoje meu bebê nasceu, quando fico com saudade levando da cadeira e vou no quarto ao lado. Se ele se adoenta pego o carro na garagem e levo pro medico na mesma hora, e estas coisas não tem preço.

    Estão satisfeitos com a carga de trabalho atual x salário ?
    Acho que satisfeito ninguem está, minha empresa hoje poderia estar faturando mais, nem devo colocar culpa no governo ou no cenário macro-econômico mundial, se eu quero faturar mais preciso estudar o mercado, trabalhar duro para criar algo de valor. Por exemplo, o Facebook foi criado nas madrugadas de um aluno de universidade. A Microsoft em uma garagem, Apple idem. Te garanto que nenhum dos criadores destas empresas bateu ponto 8 horas da manhã até as 5 da tarde, levaram anos para tirar férias, mas estavam fazendo o que mais gostavam, com paixão e trabalhando duro. São casos isolados? Sim, são, mas todo ser humano é um sucesso em potencial, embora poucos saibam aproveitar esta potência.

    Tem vontade de mudar para outro lugar ?
    Não de cidade, mas de bairro sim, é um projeto futuro, trabalharei duro para isto. Não seria feliz em nenhuma megalópole do mundo estando longe dos meus entes queridos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito legal voce ter a oportunidade de trabalhar em casa. Acho isso uma oportunidade incrível.

      O legal é que você está completamente correto. Mais qualidade de vida nao significa menos trabalho, as vezes, você passa a trabalhar mais horas e fica mais feliz. Acho que tem a ver com encontrar um trabalho que te traga um significado ... pode ser um negócio próprio ou pode ser um emprego tradicional.

      O importante é sempre buscar a felicidade porque o tempo é curto.

      Excluir
    2. Estou extremamente insatisfeito com minha vida.

      Não vejo UMA gota de satisfação no meu trabalho. De fato, acho-o inútil, imundo e dispensável. Odeio lidar com pessoas que não gosto. Colegas de trabalho são um câncer na sua vida e ter chefes a AIDS.

      A tristeza que sinto ao trabalhar, nos domingos, nas segundas me faz pensar que a vida não é um presente e sim estamos na terra para sofrer diariamente. O trabalho é a coisa mais terrível na vida de um ser humano e é 60% a 70% de tudo o que viveremos na terra. Logo é fácil concluir que viver = sofrer.

      Não sei como superar isso pois troquei de emprego até quando tinha já o blog e saí de uma merda pra outra.

      QUeria ter flexibilidade de horários e mais autonomia (não ter chefe ou pouco contato com ele). Mas num mundo estúpido desses não tem jeito.

      Quando você contempla o suicídio ou a possibilidade de se jogar na frente de um carro pra quebrar um braço ou perna pra ficar em casa e nao trabalhar, ou torce para que algum acidente com você ocorra, é porque sua vida está totalmente errada.

      Eu nunca consegui encontrar felicidade na minha vida exceto quando estou em férias e com dinheiro no bolso pra gastar.

      Excluir
    3. Pois é Pobreta - por isso que temos que buscar algo que faça sentido para gente. Mesmo que isso signifique mais trabalho em termos de carga horária. Conheço um monte de gente que trabalha até 14 ou 15 horas por dia; mas em algo que a pessoa gosta muito ou ainda trabalhar em um negocio próprio.

      Eu estou cada dia mais convencido que empreender será uma solução interessante para os que não se conformam em passar a maior parte da vida dentro do escritório e com direita a férias uma vez por ano. Não estou dizendo que sendo dono do próprio negocio você terá mais ferias - não é isso !!! O que estou dizendo é que você terá mais flexibilidade e isso acrescenta muita qualidade de vida.

      Um grande abraço,

      Excluir
  6. Olá executivo pobre, também fiz uma postagem meio introspectiva e reflexiva, também estou insatisfeiro no trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Beto Fiscal - eu li a sua postagem e parece que temos sentimentos parecidos. As vezes, parece que a vida está passando e nós estamos apenas olhando, sem aproveitar nada. E quando acontecem alguns eventos inesperados, como a morte de forma violenta (Eduardo Campos, Robin Willians, jogador Fernandão, músicos do Charlie Brown, etc...) ou uma doença repentina - ai paramos para pensar e vemos a fragilidade da vida ... e nestes momentos, bate aquela sensação de que temos que mudar alguma coisa e melhorar nossa qualidade de vida.

      Eu espero que você tenha sorte nas suas ações e que a frustração com o trabalho não te atrapalhe muito.

      Um grande abraço,

      Excluir
  7. Fala Pobre!

    Como sempre, um excelente texto! Tb tenho me perguntado essas coisas nos últimos tempos e parece que tudo o que leio, tudo o que assisto na TV ou youtube é um soco na cara acompanhado da palavra: "ACORDA!!!" Esse seu texto não foi diferente...

    Esse lance dos pobres serem mais felizes tem a ver com algo que todo mundo vê como defeito, mas eu vejo como uma excelente arma: pessimismo. Qd vc espera o pior e algo legal acontece, vc fica feliz. Se vc é um otimista, dificilmente ficará satisfeito com as coisas que receber e a frustração será algo constante. Sou pessimista em relação aos negócios, por isso sou satisfeito com os resultados que tenho, mas por outro lado acabo fantasiando muito minha vida pessoal, o que me traz frustrações.

    Sobre seu plano de montar um negócio, como sempre falo, é uma faca de 2 gumes: com certeza te trará muito mais trabalho e vc corre o sério risco de ser centralizador e ficar nessa corrida-dos-ratos-do-empreendedor de dar mais atenção ao negócio que a família. Por outro lado, com um pouco de cabeça vc conseguirá uma boa dose de flexibilidade mesmo que isso signifique trabalhar mais.

    Confesso que sou viciado em viagens tanto quanto uma mulher de classe média padrão é viciada em comprar sapatos. Viajar é maravilhoso, mas uma vez que vc sobe num avião, é impossível abandonar o hábito, impossível não passar grande parte do tempo pensando qual será o próximo destino e ficar fazendo pesquisas no decolar.com. Isso nem sempre é legal pq pode tomar muito do tempo e tornar-se um objetivo de vida que nem sempre é viável a todos.

    Abraço!

    Corey

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Corey - que legal que gostou do texto !!!

      Eu também venho com esse sentimento de que preciso mudar, fazer algo diferente da minha vida - até porque a vida é curta demais para tudo o que tem de bacana para ser visto e realizado.

      Eu também procuro não criar muitas expectativas - apesar de que, no final do ano passado, havia surgido uma oportunidade que poderia me levar a morar em outro país - e eu acabei criando uma grande expectativa de que isso acontecesse, até porque esse é um dos sonhos que tenho na vida: a experiencia de morar fora e viver em outra cultura.

      Infelizmente, a pessoa que estava "puxando" esse projeto e que estava me ajudando muito a conseguir essa transferência para outro país; tomou uma puxada de tapete muito forte, quase perdeu o emprego e voltou para seu pais de origem em outra função.

      Isso acabou me frustrando muito e me levando a questionar muita coisa na vida - eu havia investido muita energia, muito tempo e esforço; além de ter sacrificado minha vida familiar para ter essa oportunidade; e repentinamente, a oportunidade desapareceu.

      Esse foi o pontapé inicial para despertar a frustração e a vontade de mudança que estou sentindo.

      Agora, estou apresentando uma nova proposta de atividades para eu realizar aqui na empresa e, se tudo der certo, acredito que isso poderá me motivar um pouco mais. Mas hoje, eu não tenho nem a certeza se quero realmente continuar nesse trabalho. Está sendo um período que estou questionando muitas coisas, questionando se realmente vale a pena.

      Obrigado pela sua mensagem (que também me fez pensar).

      Um grande abraço,

      Excluir
    2. Cara, percebo que boa parte dos blogueiros está no mesmo dilema de insatisfação e questionamento, eu mesmo sou um bom exemplo disso. Acho que por mais que percamos tempo com esses planejamentos que muitas vezes leva a nada, é um exercício mental que não deve ser desprezado.

      Lamento por não ter dado certo sua mudança, mas de repente isso foi bom pra te acordar pra esse possibilidade, se não deu certo dessa maneira, pode dar de outra. O fato é que o Brasil não é sustentável pra se viver no longo prazo.

      Melhor frustrado, questionador e insatisfeito que parado na mesma sem desenvolver novas habilidades e conhecimentos.

      Boa sorte, abraço!

      Corey

      Excluir
    3. Com certeza Corey !!! Temos sempre que estar questionando e tentando melhorar as coisas.

      Hoje eu percebo que boa parte da insatisfação está relacionada ao ambiente que eu trabalho - ele é muito nocivo, com muita gente puxando o tapete e muita politicagem (no mau sentido da palavra).

      Preciso agora é tomar ação e resolver o problema - no fundo, eu sei qual é a solução; mas as vezes parece que ficamos imóveis frente a situação. Foi o que voce comentou: que as vezes algumas coisas nos fazem refletir e é como um "tapa na cara" dizendo ACORDA !!!

      É o que sinto hoje e preciso apenas sair da inercia e começar a procurar novas possibilidades.

      Um grande abraço,

      Excluir
  8. Executivo Pobre,
    Mais um ótimo post! Eu estou trabalhando na iniciativa privada há 3 anos aproximadamente. Estou relativamente satisfeito com o meu salário atual, mas talvez isso seja prejudicial pois me deixa em um estado de conforto e comodismo, o que impede que eu tente empreender em algo. OK, nem tenho capital ainda para isso e também não tenho nenhuma ideia para abrir algum negócio, mas se eu estivesse mais insatisfeito com o meu salário talvez me abrisse e buscasse mais possibilidades.
    O que mais odeio no meu trabalho é a inflexibilidade. Exatamente ao contrário do que você descreve o seu trabalho, no meu eu preciso mendigar saídas para ir ao médico, para renovar documentos e etc.. Me sinto um lixo ficando à mercê da boa vontade de alguém "deixar" ou aguentar olhares feios por ser a "segunda saída em 2 meses". Esses tipos de situações me deixam extremamente pra baixo sabe? Queria poder algum dia ser livre, mandar no meu negócio. Eu não vou ficar pra sempre na iniciativa privada, um dia vou criar coragem, largarei meu emprego e iniciarei algo. A questão é que a cada ano que passa meu salário aumenta, e o medo igualmente. Medo de tentar algo e fracassar miseravelmente, e depois implorar pra receber metade do que recebo atualmente em outra empresa. Tudo isso passa pela minha cabeça.
    Sei que os grandes executivos e empresários da atualidade, se pensassem como eu não estariam onde estão hoje, mas eles também tinham total confiança em suas ideias, coisa que eu não tenho ainda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "O que mais odeio no meu trabalho é a inflexibilidade. Exatamente ao contrário do que você descreve o seu trabalho, no meu eu preciso mendigar saídas para ir ao médico, para renovar documentos e etc.. Me sinto um lixo ficando à mercê da boa vontade de alguém "deixar" ou aguentar olhares feios por ser a "segunda saída em 2 meses". Esses tipos de situações me deixam extremamente pra baixo sabe?"


      Exato.

      Excluir
    2. Essa coisa de o funcionário ter que "implorar" por um minimo de flexibilidade é muito ruim. Remete a relação de escravo e senhor de engenho que tínhamos aqui no Brasil.

      Olha, eu converso com colegas de outros países e eles não tem o menor problema em adotar uma jornada mais flexível. Nos EUA, por exemplo, o pessoal costuma entrar no trabalho as 06:00 e sair as 14:30hs - assim podem aproveitar mais o dia e nao precisa deixar o filho na escola em período integral. A maior parte dos colegas faz isso - além de outras facilidades como poder atuar em Home Office.

      Aqui no Brasil, o "chefe" se acha dono do funcionário. Um absurdo !!! Cada funcionário deveria ser avaliado por atividade - tem uma tarefa e um prazo para realizar a atividade. Desde que a atividade seja feita dentro do prazo, o funcionário gerencia a sua carga horária e a melhor forma de trabalhar - isso traria mais satisfação e produtividade para todos.

      Um grande abraço,

      Excluir
    3. Pessoal, não se esqueçam de uma coisa muito importante: as empresas tem inúmeras regras pra seguir, tem sindicatos em cima, fiscalização, etc. Nem sempre a empresa pode flexibilizar o tempo do funcionário por receio de tomar um processo lá na frente. Um amigo tomou uma sarrafada da justiça do trabalho pq o funcionário foi atropelado no meio do expediente (pediu para ir ao banco e o patrão deixou, depois meteu o cara no pau por não ter cuidado dele durante o horário de trabalho).

      Isso que dá viver num país onde até o número de peidos que o patrão pode dar é regulado pelo governo. O pessoal lá em cima faz regras para "proteger" o funcionário mas na prática essas regras acabam prejudicando-o e engessando a empresa.

      Claro que isso não justifica escrotice de chefe canalha que se acha fodão por ganhar 500 reais a mais por mês.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  9. Bom dia EP.Excelente post!Esta questão de estar insatisfeito é geral.Meu irmão diz isso direto:o delegado não quer estar na delegacia;o professor não quer estar na sala de aula;o médico não quer estar no consultório.Comigo não é diferente.Apesar de trabalhar próximo ao emprego,labuto no sistema de 24h e com 3 empregos.Assisto a todo tipo de programa,fico horas e horas na internet vendo uma forma de me redescobrir em outra área ou negócio que realmente me dê prazer.Ás vezes acredito que é coisa de destino,algo filosófico,sei lá.Um caminho a sempre buscar. Até agora concordo com Soul,só me resta a independência financeira...
    Acionista25.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Acionista - realmente a insatisfação é geral. Todos que eu converso não estão felizes com o emprego: seja pelo salário, seja pela chefia ou pelo ambiente de trabalho.

      Espero que você consiga encontrar a área que mais gosta para poder empreender. Sucesso para você !!!

      Excluir
  10. Olá executivo pobre.

    Leio de alguns blogs da blogosfera de Finanças, os outros entro pouco, pois percebo que só querem vender e-books.

    Gosto dos blogueiros que expressam suas ambições e angustias e as vezes me identifico em algumas situações.

    Por exemplo, quando vc disse no texto:
    "Eu busco mais tempo livre para me dedicar a leitura e assuntos sobre II Guerra Mundial, gostaria de aprender a tocar baixo, gostaria de montar uma maquete de ferreomodelismo e, principalmente: gostaria de poder viajar mais. Quando você vê o tamanho do mundo e a diversidade existente - você percebe que ferias uma vez por ano não vão permitir que você conheça nem um quinto das coisas que gostaria."

    No meu caso trocaria o assunto sobre II guerra por aprender outros idiomas, queria ler mais sobre filosofia, aprender a tocar guitarra.

    Penso em usar a independência financeira para vivenciar e aprender mais coisas e não para ficar coçando saco o tempo todo.

    Mas, vivi até agora (tenho 39 anos), na corrida de ratos e desanimo um pouco quando penso que aportando forte a partir de agora, só daqui a uns 10 anos alcanço o 1 milhão...

    Acho que uma semi-aposentadoria, como foi proposta pelo Corey, seria uma solução pra mim, pois prestei um concurso público na minha área e estou apenas esperando a nomeação para ganhar a mesma coisa que ganho hoje trabalhando bem menos (ganho cerca de R$ 5.000,00 bruto).

    Pretendo aportar mais de R$ 2.000,00 quando assumir, pois meus gastos com apenas um local de trabalho vai diminuir.

    Espero que com mais tempo livre e menos stress eu fique satisfeito.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho a ideia da semi aposentadoria sensacional. O ponto é que você tem que garantir rendimentos mínimos para garantir o pagamento das contas básicas. Eu, infelizmente, ainda não cheguei lá - tenho algo em torno de R$120.000,00 investidos (não estou considerando a previdência privada) e isso não é suficiente para minha semi-aposentadoria.

      Talvez seja suficiente para iniciar um negócio, mas também ainda não me decidi por uma atividade onde eu poderia empreender. Tenho vontade de investir em diversos segmentos (livraria, posto de gasolina, loja de brinquedos, loja de artigos para bebes, comercio em geral, consultoria em lean manufacturing e produtividade, consultoria em qualidade, pequena industria mecanica ...) mas ainda não tomei uma decisão neste sentido.

      No seu caso, com a nomeação para cargo publico, voce garante pelo menos a estabilidade para iniciar sua semi aposentadoria. Muito legal - desejo sorte para voce e que seja nomeado rapidamente.

      Um grande abraço,

      Excluir
  11. Onde está o botão de mil likes aqui no blog? Hahahah
    Excelente postagem EP.

    Fiz uma postagem relacionada ao crescimento da infelicidade da população com relação a geração Y, e concordo com o que disse, quanto menos expectativa a pessoa tiver, mais feliz ela será, pois tudo o que vier acima dessa expectativa é lucro.

    Meu plano para o futuro é seguir a carreira acadêmica ou ser empreendedor, ou quem sabe os dois. :)
    Gosto de pesquisas e produzir artigos, porém gostaria de ter meu próprio negócio também. Estou todos os dias lutando para chegar neste objetivo, e tenho certeza que chegarei

    Uta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Estagiário - que bom que gostou da mensagem.

      Acho muito legal o seu plano de seguir carreira acadêmica e acho que isso pode ser uma grande oportunidade.

      Eu até comentei que estava (e ainda estou) pensando em fazer um mestrado profissional. Estou realmente pensando em tocar essa projeto e trocar o mundo corporativo pelo mundo acadêmico - o salário pode ser menor, mas você aumenta as férias ... rsrsrsrs

      Acho também que é um mercado mais estável e com ambiente melhor do que a industria em geral.

      E também acho que libera um pouquinho mais de tempo (depois que você tiver aulas e provas preparadas) para poder se dedicar a um negócio e desta forma, abrir a possibilidade de empreender.

      Sorte para nós nesta possível empreitada !!!

      Um grande abraço,

      Excluir
    2. EP,

      Muito bacana a sua reflexão. Eu acredito que o ser humano é um insatisfeito por natureza. O jeito é irmos tocando a nossa vida dia a dia.

      Abraços.

      Excluir
    3. Olá IL - tudo bem ? Eu também acredito que o ser humano é insatisfeito por natureza e isso está ligado a nossa necessidade de evitar a dor e procurar o prazer; o que de certa forma, garantiu a sobrevivência da nossa especie em um mundo bem hostil.

      E se levarmos em conta a piramide de Maslow - sempre estaremos buscando algo mais, pois assim que uma necessidade é satisfeita, você começa a cuidar de outras necessidades. Eu acho isso produtivo, pois te leva a querer evoluir e explorar mais da sua capacidade.

      O grande problema é quando essa insatisfação chega a limites extremos - neste caso, temos efeitos contrários: a insatisfação que deveria te motivar a evoluir, ela acaba te desmotivando de fazer as coisas; o que devia te trazer um estado de alerta e busca de oportunidades, acaba gerando ansiedade e muitas vezes até depressão.

      Esse é o cuidado que temos de tomar quando trabalhamos em um ambiente que não está de acordo com nossos valores e crenças - não necessariamente o ambiente é ruim; mas você estará sempre insatisfeito. E vamos concordar que viver uma vida inteira de insatisfação é desperdiçar a sua vida ... e ela é muito curta para ser desperdiçada. Esse negócio de trabalhar em algo que não faz muito sentido e em um ambiente nocivo durante 11 meses do ano para poder curtir 20 dias de férias é muito ruim ....

      É nisso que venho pensando ultimamente !!!

      Obrigado pela visita e pelo comentário.

      Um grande abraço,

      Excluir
  12. Maravilhoso Post meu amigo EP.
    Me identifico muito com você na questão de querer conhecer o mundo e também na vontade de ter uma vida mais tranqüila. Hoje graças a Deus eu já conquistei essa tranqüilidade (sem precisar da IF) pois tenho o meu próprio negócio que me permite dormir até tarde no meio da semana, passar as vezes o dia em casa e não ser escravo de chefe e horário. Lógico que essa tranqüilidade é referente aos dias em que não há operação.
    Mas não siga conselhos que são do tipo: a vida não presta e é sem graça.
    A vida tem a cor que você a pinta. E seus questionamentos e vontades de viver uma vida melhor é louvável. Parabéns e prossiga meu amigo.
    Abraços ,

    S&P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá S&P - tudo bem ?

      Acho muito legal a sua historia e a flexibilidade que voce consegue com seu proprio negocio. Com certeza, isso permite que voce tenha uma maior qualidade de vida. É exatamente algo assim que estou buscando para trazer um pouco mais de equilibrio entre trabalho e vida pessoal.

      As vezes, nao percebemos como a vida passa depressa e temos mesmo que aproveitar o maximo possivel para nao gerar um sentimento de frustração no final da vida.

      Te um livro de uma enfermeira voluntária em um hospital nos USA - ela cuidava de pacientes em estado terminal. Neste livro, ela mostra quais foram os maiores arrependimentos das pessoas nos minutos antes de falecer; e a grande maioria dizia que deveria ter trabalhado menos e aproveitado mais a família e ter feito as coisas que tinham vontade (viajar, trabalho voluntario, leituras, assistir filmes, etc...).

      É exatamente esse arrependimento que eu não gostaria de ter no final da vida.

      Valeu pelo seu comentário e pela visita.

      Um grande abraço,

      Excluir