quarta-feira, 28 de junho de 2017

O Velho Debate Sobre Promoção no Trabalho

Olá pessoal - tudo bem ? Hoje eu li uma postagem do amigo Viver de Construção e decidi fazer uma postagem sobre o assunto em vez de simplesmente deixar um comentário onde nao seria possivel explicar o meu pensamento e colocar os detalhes que eu acredito ser importante.

Recomendo fortemente que voces cliquem no link e leiam a postagem do VDC para entender melhor o tema, mas basicamente o nosso amigo vem se dedicando bastante na empresa e procurando ser o melhor profissional na sua area, entregar trabalhos com muita qualidade, dentro do prazo e custo; e através desse perfil de excelencia passar a ser não somente considerado para promoções, mas efetivamente ocupar cargos mais altos no organograma. 

Esse é o pensamento que eu também sempre tive mas, infelizmente, esse pensamento não é o correto na filosofia corporativa aplicada na maior parte das empresas. Nós somos ensinados que para ser promovido voce tem de fazer um excelente trabalho, tem de dominar a sua atividade e entregar resultados de excelencia ... toda pessoa que quer ser promovida escuta isso em algum momento da vida e muitas vezes escuta isso da própria liderança como orientação para alçar voos mais altos na carreira. 

Mas vamos pensar juntos por um instante ... voce é um gestor e tem um funcionário que se destaca pela excelencia do trabalho que ele faz. Esse funcionário entrega todos os projetos dentro do prazo e dentro do custo. Frequentemente projetos que já estão com diversos problemas de atraso, com reclamações de cliente final e "orçamento estourado", esse profissional se empenha e resolve em um curto espaço de tempo ajudando inclusive a melhorar a imagem do seu departamento. Mesmo com projetos complexos e aparentemente "sem solução", o camarada vai lá e consegue resolver ... me pergunto: porque voce promoveria esse profissional ?

O gestor perde em duas frentes. Primeiro ele perde o "homem de confiança" dele, o cara que resolve todos os problemas, o cara que trabalha 80 horas na semana se precisar, o cara que atende telefone e responde emails durante final de semana, o cara que vira noites para resolver os problemas ... e o gestor também perde o "profissional promovido" pois a imagem que ele tem é de pessoa tecnica e nao de profissional gerencial. O profissional gerencial é aquele que tem relacionamento com todas as areas, que tem bom transito com todas as lideranças e, principalmente, que tem bom transito e é respeito pelos futuros subordinados. 

O gestor precisa ter a confiança de que esse profissional se for promovido irá solucionar os problemas gerenciais do equipe. E isso é muito diferente de solucionar problemas tecnicos - quando voce vira gestor voce tem de lidar com situações muito mais politicas do que tecnicas. Entregar os resultados da area nao é mais do que obrigação, mas alem disso voce tem de "vender" os resultados da area e se a pessoa nao consegue fazer isso quando ainda nao foi promovido (porque esta resolvendo os problemas tecnicos), o gestor nao acredita que a pessoa passara a fazer isso após a promoção.

Por esses motivos é importante (para quem quer ser promovido) aquelas apresentações em que o cara vende o trabalho dele como se ele tivesse encontrado a cura do cancer, como se ele tivesse a solução para a fome mundial ... sao os famosos "show-man".

O show-man é um profissional que tem um certo conhecimento tecnico (normalmente muito menos conhecimento do que o profissional que nao é show-man), mas vende isso de uma forma espetacular; é o cara que transforma qualquer conversa com a chefia em uma palestra sobre como ele é incrivel e faz coisas que os outros nao enxergam, é o cara que apresenta opinião e solução para cada problema da empresa, etc...

Existe duas formas de entrar no modo show-man ... o primeiro modo é voce realmente pensar nos problemas da empresa e começar a propor soluções reais para os problemas importantes, é voce pensar em otimizar o desempenho do time e propor melhorias atraves da influencia que voce tem sobre os colegas de trabalho. Dessa forma, o profissional mostra que tem pensamento estrategico, que tem visao de negocio e que tem influencia e respeito do time que ele possa liderar no futuro.

O outra forma (e mais utilizada) é puxar o saco do chefe, buscar cafe, elogiar desde a roupa que o cara esta usando até o carro que ele tem, marcar jantares e passeios junto com o chefe, se tornar amigo fora do ambiente de trabalho e com isso obter uma vantagem para uma promoção.

Eu gostaria de chegar aqui e falar que sempre que eu vi pessoas apostarem nessa segunda opção elas se deram mal, que nao foram promovidas ou se foram promovidas nao conseguiram dar conta do trabalho e acabaram por ser demitidas. Mas isso seria mentira - normalmente, eu vejo esses caras se dando bem. As vezes, eles se dão muito bem. E isso acontece porque relacionamento importa muito para promoção - voce nao promove o melhor profissional (claro que existe exceções) mas voce promove o profissional que voce se sente mais confortável.

Normalmente, nós ficamos mais confortáveis com quem gosta das mesmas coisas, com quem tem a mesma opinião, com quem pensa de forma parecida com a gente. Os show-man corporativos entendem isso e caso nao pensem igual os lideres - eles fingem que pensam. E isso vai ate o dia que eles se tornam lideres e ai outras pessoas passam a fingir que pensam igual eles.

Eu nao concordo com isso e nao apoio isso, mas infelizmente a vida é como ela é. Para ser promovido, o primeiro passo nao é ser muito bom no que faz (isso quase nunca importa) - o primeiro passo é ser proximo do seu chefe e fazer com que seu chefe se sinta confortável na sua presença. Não é ser seu amigo, mas é muito próximo disso.

Se voce tenta ser um excelente profissional tecnico, voce vai conseguir esse destaque - mas sempre correndo o risco de ser o profissional "insubstituível" da sua empresa. Se o seu chefe achar que ninguem vai fazer o trabalho tão bem quanto voce faz, porque ele iria te promover ?

Então pessoal - infelizmente no Brasil (e diversos outros paises) é assim - voce é promovido pelos seus relacionamentos e nao pelos seus resultados.

Conheci diversas pessoas que nao entregavam resultados consistentes, que nao eram os melhores tecnicos; mas faziam um trabalho mediano e eram muito bons em relacionamentos. Tenho colegas assim que não só foram promovidos, como hoje estão na Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos, Canada, etc...

A explicação para isso é muito simples - todo mundo gosta de ter alguem com quem nos sentimos confortáveis por perto. E se passamos muitas horas no trabalho, entao tentamos trazer essas pessoas proximas da gente. Quando o chefe vai sendo promovido ele vai promovendo também os mais próximos.

Eu gosto muito da sabedoria popular porque ela acumula anos de conhecimento de muitas pessoas diferentes ... lembra quando o pessoal falava que fulano foi promovido porque fazia parte da "panelinha" do chefe ? Então, é exatamente sobre isso que estou falando. Quem quer ser promovido em grandes organizações tem de fazer parte da panela do chefe.

Se voce tem um chefe muito profissional, voce vai conseguir entrar para "panela" dele se tornando um profissional de confiança porque entrega resultados e é muito bom no que faz. Mas o problema é que poucos chefes sao muito profissionais - na maior parte dos casos, o chefe avalia se voce sabe vender bem o seu trabalho (mesmo que nao seja espetacular), avalia se o resto do time respeita voce, avalia se voce é uma pessoa que ele se sente bem conversando, avalia se sera facil substituir voce na função atual caso ele te promova, etc ...

Portanto, é importante pensar na carreira e pensar ate onde estamos dispostos a atuar politicamente para chegar na posição que acreditamos ser a mais interessante no organograma. É muito importante avaliar também o estilo do chefe - estou aqui falando dos chefes não profissionais (que na minha opiniao, sao a maioria dos lideres que temos nas empresas), mas voce pode ter um lider extremamente profissional. Se esse for o caso, esqueça tudo o que eu falei antes, porque seu chefe ira fazer uma avaliação também profissional na hora de promover alguém.

E, finalmente, considero importante verificar se voce se sente preparado para fazer esse tipo de jogo politico e preparado para assumir uma função de liderança. Além do salário e beneficios que todos sabemos que é bem legal de receber, a promoção traz um lado um pouco mais sombrio. O profissional que assume cargo gerencial tem de estar preparado para dar feedback negativo para seu funcionário, preparado para dar feedback negativo de forma muito clara e direta para seu funcionário, preparado para demitir um funcionario, preparado para demitir um funcionário mesmo sabendo que o conjuge dele esta desempregado(a), mesmo sabendo que ele vai perder o plano de saude e tem dependentes doentes que precisam do plano, mesmo sabendo que ele se esforçou muito pela empresa e cansou de ficar ate mais tarde e trabalhar final de semana, preparado para chamar a atenção do funcionário que está enrolando, que chega atrasado do almoço, que falta sem justificativa; preparado para negar um aumento de salário ou uma promoção; preparado para dar más noticias a equipe.

A parte boa da liderança é fácil - todo mundo quer chamar o funcionário e dar um aumento. Essa é a parte facil e tranquila. Muito dificil é voce ter de demitir um funcionário porque a empresa esta propondo redução de custo devido as condições de mercado (acreditem, é muito dificil).

Além de estar preparado para tudo isso que citei acima (e muito mais), ainda tem de lembrar de manter os relacionamentos pois voce também precisa manter a sua posição que lutou tanto para conquistar.

Portanto, é muito legal ter um chefe profissional que te avalia pelo seu conhecimento e resultados; mas se esse nao é o caso e voce quer muito ser promovido (ponderando todos os riscos associados) nao adianta manter esperanças de que vai crescer na mesma empresa. O caminho é procurar uma oportunidade mais adequada em outro lugar.

Desculpem o post maior do que o planejado, mas esse tema é muito interessante já que todos estamos buscando a IF e uma promoção sempre ajuda a aumentar os aportes.

Atualmente eu tenho um chefe que é uma mistura de chefe profissional e chefe nao profissional (vou deixar para contar mais em postagens futuras) ... e voces ? Como foi situação de ser promovido ou deixado de lado em uma promoção ? Como é o chefe de voces ? Tem esse tipo de fator politico na empresa onde trabalham ?

Um grande abraço,

32 comentários:

  1. Quando entrei na empresa em que estou, trabalhava muito. Muito mesmo, não de fazer hora-extra, mas de trabalhar efetivamente. Entregava tudo antes do prazo. E bem feito.
    O tempo foi passando e vi colegas não tão aplicados serem promovidos, mas que ... riam das piadinhas do chefe.
    Para mim foi a maior decepção que tive no mercado de trabalho. Como você disse, nos ensinam erroneamente que trabalhar duro lhe fará crescer. Ledo engano.
    Não sei puxar saco de chefe e nem quero.
    Como acho meu salário muito bom, larguei mão de ser promovido e fico na minha agora. Trabalho um pouco acima da média apenas e pronto.
    Sou solicitado por diversos chefes para mudar para a área deles. Mas, prefiro ficar na minha área mesmo, visto que sei que não mudaria.
    Já estou na empresa faz 12 anos. Nunca fui promovido e nem serei. Mas praticamente corro risco zero de demissão.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola anon - tudo bem ? Infelizmente o que ocorreu com voce é a regra do mundo corporativo. Aqueles que nao tem habilidades politicas ou nao querem aplicar essas habilidades no relacionamento com os chefes, acabam sendo preteridos nas promoções. E depois o que acaba acontecendo ? A pessoa acaba reduzindo o seu desempenho porque se sente explorada ... e a empresa perde com isso.

      Se nao tem condição de promover alguem a liderança (nao existe vagas para todos), a empresa deveria premiar de fato aqueles que fazem algo a mais ... mas premiar com bonus atrativos e aumentos salariais, explicando que nao tem lugar na liderança mas a pessoa mereceu o bonus porque fez algo a mais... o maior motivador para os funcionários é o dinheiro - outros fatores sao importantes mas nenhum tem o peso do dinheiro caindo na conta.

      Tenho certeza que a empresa perdeu mais com o seu desempenho voltando a media (ou pouco acima dela) do que "perderia" pagando bonus excelentes pelo seu desempenho.

      Um grande abraço,

      Excluir
  2. Confesso que nunca fiquei tempo suficiente num lugar para ser promovido, mas já fui chefe e subordinado e a primeira coisa que me vem à mente é que a maioria é promovida por uma mistura de antiguidade e afinidade com o chefe. Acho que esses dois fatores são o modo mais seguro de jogar pra quem promove, portanto em alguma medida o profissional que quer ser promovido deve ter paciência, ser cordial e claro, competente.

    Se chegar um tempo que o cara vê que não vai ser promovido (quando existem cargos acima), pode pensar em buscar outro emprego se achar que consegue algo melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola CF - voce esta coberto de razao. As pessoas sao promovidas pela afinidade que tem com o chefe; ou melhor ainda, pela afinidade que o chefe tem com elas. Como eu disse, o gestor (na maioria das vezes) vai tentar promover alguem com quem ele se sinta confortável.

      Para os que buscam altos cargos na corporação tem que ter a mentalidade de priorizar a carreira. Se o caminho nao esta bem trilhado na empresa onde está, essas pessoas buscam outra empresa sem o menor problema.

      Ps: Estou muito animado para fazer um curso de marcenaria - estou pesquisando alguns lugares para ver o que melhor se encaixa nos meus planos. Quando concluir o projeto imigração, pretendo iniciar nesse ramo com uma mistura de hobby e negocio proprio.

      Um grande abraço,

      Excluir
    2. Legal! No aguardo por novidades sobre o curso.

      Excluir
  3. No serviço publico promoção algo raríssimo. Para conseguir melhores cargos ou concurso ou sendo comissionado puxa saco de político.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vejo muitas pessoas incompetentes em reparticoes publicas e o principal motivo: indicacoes de politicos somente para a pessoa receber a grana no fim do mes. Digo que 90% dos indicados nao sabem o que fazem para servir a coletividade. Existe um comissionado no meu trabalho que "mama" desde 1999.. Deve receber uns R$ 16.000,00 bruto e so aparece umas 5x ao mes no trabalho. Só passa a agir mais no servico em epocas de eleicoes ameaçando quem nao votar em seu respectivo "padrinho". O cara assume um cargo de muita responsabilidade, mas nao sabe nada a respeito das funções. Por isso vemos quase todas as vezes a merda que é a qualidade do serviço público.

      Excluir
    2. Ola Victor - tudo bem ? O serviço publico tem a vantagem da estabilidade; porém voce abre mao da progressão de carreira que poderia ter na iniciativa privada. Mas no final das contas, o sistema de promoção é o mesmo porque quem promove as pessoas não sao as empresas (essa entidade só existe juridicamente); quem promove sao pessoas também ... e como pessoas estao sujeitos aos mesmos sentimentos.

      Por isso também no serviço publico ocorrem as indicações - o cara coloca quem ele tem amizade, familiaridade, quem ele deve algum favor, etc...

      Esses absurdos como o que voce mencionou do cara que aparece só umas cinco vezes por mes no trabalho - infelizmente é a regra do jogo no Brasil. Por isso que mesmo com todas as reclamações nao vejo funcionários abandonando o serviço publico e indo buscar um lugar ao sol na iniciativa privada. Isso é ainda mais agravado porque o Estado brasileiro é muito maior do que precisa para oferecer serviços de qualidade, entao a pessoa consegue se esconder nas "brechas" organizacionais e nao trabalhar como deveria.

      Um grande abraço,

      Excluir
  4. O cara tem muitas vezes que cumprir uma série de requisitos para conseguir um emprego mediano, passar por dinâmicas de grupo ridículas, ver matérias que dizem que ´fundamental ser polivalente, criativo etc.
    Pra no fim das contas perder oportunidades para puxa-sacos e gostosinhas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola anon - tudo bem ? Concordo com voce que o processo de seleção é muitas vezes proximo do ridiculo (isso quando nao ultrapassa essa barreira). Pedem muitas qualificações para atividades simples e isso somente ocorre porque somos um pais com alto indice de desemprego; entao as empresas podem aumentar os requisitos sem aumentar remuneração e beneficios.

      Em paises com uma melhor relação entre demanda x oferta de emprego, esses fatores se acomodam e inclusive existe menos desigualdade salarial entre as funções. No Brasil voce tem uma massa de pessoas qualificadas (qualificadas no papel, nao necessariamente no desempenho) e que desempenham funções muito simples e ganhando salarios baixos. Esse é um dos fatores, mas nao o unico, que leva o profissional brasileiro a ser menos produtivo ... com os custos da improdutividade, os empresarios reduzem os salarios para manter as margens e então temos um circulo vicioso, onde a qualificação nao vale muito e os salarios sao sempre negociados a menor.

      Um grande abraço,

      Excluir
  5. Olá Executivo,
    Acompanho seu blog já algum tempo e sempre curti seus posts sobre o mundo corporativo. Trabalho na área farmacêutica e tambémvejo esse tipo de coisa, especialmente nas indústrias nacionais. Infelizmente no ramo em que trabalho (inovação) isso é uma realidade também; não é o conhecimento ou profissionalismo que te dá a promoção, mas o hábito de massagear o ego de chefias diversas. Apenas acrescentaria em suas colocações, que os profissionais com bom conhecimento técnico e baixa capacidade política não raro tendem a ser procurados por outras empresas, enquanto pessoas políticas tendem a permanecer (e crescer) nos lugares onde ficam. Este é o lado negativo da indústria farmacêutica nacional, pois os políticos dificilmente entregam resultados de mesma qualidade que os mais técnicos. Isso gera um grau de inovação de baixíssima qualidade e um ambiente onde predomina a mentalidade de acomodação e mediocridade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola anon - tudo bem ? Eu imaginava que a industria farmaceutica poderia ser um pouco diferente, mas pelo seu relato vi que ela ela está dentro da media nacional. Os criterios para promoção sao sempre muito dificeis de se estabelecer, mas um bom gestor deve acertar mais do que errar ... é como um jogador de futebol, ele tem que fazer mais gols do que errar - mas esse nao é o cenário nacional.

      Ao mesmo tempo, os profissionais que nao vao sendo promovidos acabam por deixar de lado aquele desempenho extraordinário (com razão, porque se sentem explorados) e a produtividade volta a cair na média. O cara que estava puxando a produtividade para cima volta a trabalhar como os demais e as coisas se acomodam ... isso também faz parte do famoso custo-Brasil.

      Para aquelas pessoas voltadas a carreira, nao enxergo outra solução. Se o caminho para sua promoção nao está claramente definido, tem que procurar outra opção. Se isto é uma prioridade para a pessoa, ela tem que procurar outro lugar. Quando a pessoa vai ser promovida nao tem essa conversa de estamos te observando e se voce entregar os reusltados voce será promovido...quem vai ser promovido já foi observado e é promovido e pronto. O resto é apenas a "cenourinha" para a pessoa correr atras.

      Um grande abraço,

      Excluir
    2. Olá Executivo,
      Sou o anon do post anterior e concordo com suas colocações. Outro aspecto negativo para aquele que se sobressai pelos resultados é a percepção de ser visto como um risco (concorrente para a próxima promoção) ou excêntrico pelos colegas. E essa mentalidade de rebanho contribui para o grau da área. No meu setor perdemos excelentes funcionários para concorrentes, apesar do salário e benefícios bem acima da média, justamente pela ausência de perspectiva e amadorismo na gestão.

      Para você ter uma ideia, presenciei uma gerente que deu uma instrução errada para a analista de garantia de qualidade na presença de todo o setor. Quando as fezes bateram no ventilador, a gerente, questionada pela diretora, afirmou na cara dura que tal informação nunca havia partido dela, que isso foi uma coisa da analista (fiquei sabendo que todo dia tinha alguma analista chorando no banheiro pela atitude dessa gestora). Posteriormente o RH foi investigar a alta rotatividade desse setor, e essa pessoa procurou seus funcionarios seniores e instruiu a dizerem que não havia nada errado, o problema estava nos que saíram, que esses exfuncionários tinham baixa produtividade e incompatíveis com o perfil da empresa. Engraçado, que as concorrentes detém o triplo de pessoas para exercer as mesmas atividades nessa área, com demandas menores.

      A maioria das indústrias farma brasileiras são familiares e isso contribui para esse fenômeno - conceitos como compliance e governança são ainda pouco difundidos. Nunca acreditem nessas pesquisas de "melhores empresas", isso sempre tem mais de marketing do que realidade.

      Pelos seus posts vejo que você planejou alguns planos "Bs" na eventualidade de uma saída forçada. Considerando sua vivência, uma alternativa extra seria se profissionalizar como coach, cujas atividades talvez pudessem ser exercidas paralelas ao seu plano acadêmico ou de construção. Você já pensou nessa via? (não sei se você já tem essa formação, se tiver peço desculpas pela redundancia).

      Excluir
    3. Ola anon - esse caso que voce citou da gerente é muito comum, ou seja, gestores que dao uma determinada ordem e quando percebem que a coisa nao saiu como eles imaginaram, eles tiram o corpo fora. Eu ja sofri bastante com isso no passado - tinha um gestor que sempre queria jogar a culpa em cima dos funcionários - por umas duas vezes eu pensei mesmo que seria mandado embora porque tinha feito algo que ele havia mandado e ele dizia que nunca tinha pedido aquilo.

      Quanto ao comentário sobre "coach", eu nunca pensei em me especializar nesse segmento ... olha, eu nunca havia considerado essa ideia, mas realmente pode ser algo interessante - muito obrigado pela sugestão.

      Um grande abraço,

      Excluir
    4. Farmacêutico Investidor29 de junho de 2017 18:53

      Pela sua experiência de vida e pelo teor dos seus comentários acho que seria algo sim a se pensar. Creio que todos aqui concordam que suas avaliações costumam espelhar bem a vida no mundo corporativo e como já comentaram, acho que dentre todos os seus posts, este é um dos melhores pela sinceridade que você tratou o tema.

      Excluir
  6. Olá EP! Excelente texto!

    Vejo muito bem seu texto aplicado onde trabalho, onde minha irma trabalha, meu irmão... Infelizmente, predomina esse tipo de situação. E não raro, a maioria dos chefes se enquadram na categoria no-professional.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola II - tudo bem ? Infelizmente, a maior pare das pessoas que converso enxergam essas situações nas empresas. Vejo que infelizmente esse é o comportamento padrão que temos no Brasil. Por isso, para quem quer ser promovido é importante fazer parte da "panelinha" do chefe - pois amaior parte dos lideres nao tem comportamento profissional na hora de promover alguem.

      Um grande abraço,

      Excluir
  7. Olá amigo. Como alguns aí, venho vivendo exatamente a mesma coisa aqui na minha empresa. Sou extremamente bem avaliado em minhas avaliações anuais (aquelas que não servem pra nada) e meus pares sempre me procuram pra descascar pepinos, pois sabem que resolvo. Entrego sempre tudo bem antes do previsto costumo antecipar soluções para problemas futuros. Mas como já disseram, não suporto jogo político, jantarzinho, chopinho etc. Meus superiores diretos já foram substituídos 4x e em todas elas decidiram por trazer um "cara" do mercado. Com isso, eu sempre tenho que voltar a estaca zero e começar de novo. Decidi que dessa vez vou fazer como todos aqui fazem. Ficar na média até encontrar alguma oportunidade de cargo superior fora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola anon - tudo bem ? Infelizmente a sua situação é mais comum do que se imagina. O grande risco relacionado a procurar um cargo superior em outra empresa, é que também por lá voce precisará fazer o jogo politico. Nao tenha duvida que lá voe também ira precisar de "aliados", precisará fazer negociações sobre prioridades, prazos, custos, etc...

      A partir de determinado cargo o fator politico aumenta exponencialmente - então, antes de mudar de empresa, é importante avaliar se na nova empresa voce conseguirá fazer o "jogo politico" que hoje nao consegue na empresa onde está.

      Um grande abraço,

      Excluir
  8. Este texto foi um tapa na cara para eu acordar.

    Eu sou o cara “impromovível”, palavra que nem existe mas que fiz questão de destacar.

    Para a empresa eu sempre serei o cara técnico então, pois eu resolvo todo os problemas, neste ano mesmo, um projeto que estava dando o maior problema após dispenderem milhões e não entregar resultados, caiu no meu colo, e apesar de ainda estar trabalhando nele, 40% já é usado, estou corrigindo aos poucos, com muitas horas extras, reuniões, conversas e todo meu expertise no processo da empresa (sem ele atrasaria ainda mais).

    Pra que vão me prover? Perder o “Severino Quebra Galho” que resolve todos os problemas?

    Durante um tempo eu até tentei seguir o mantra “Aja como um gerente, aja como se já fosse um gerente”.

    Algumas pessoas me respeitaram, outras claramente não, e nem foi por culpa minha: Eu fiz o que pude para convencer a trabalharem comigo e me ajudarem.

    Me tornei o “insubstituível” sendo bom demais! Errei feio! Esta é realidade.

    Estou lendo seu texto e pontuando meus erros ...

    Errei sendo bom demais.

    Agora sou o “melhor PM” que resolve qualquer bucha de canhão.

    Nunca vão me promover aqui, esta é a verdade.

    Me toquei que aqui recebi apenas bonificações e discretos aumentos salariais, p/ adoçar apenas, agora a mudança pra um cargo maior não foi dada e nem será.

    Agora que abri o jogo para meu chefe, já vejo eles tentando passar a mão na minha cabeça, dizer que não é assim, que devo continuar no mesmo ritmo, mas a verdade é que abri os olhos e descobri que aqui não serei promovido, e nem chegarei a gerente, pois para eles eu valho mais se continuar fazendo o que faço: Trabalhar feito um cachorro.

    Vou escrever mais uma postagem sobre EP, seu texto é esclarecedor por demais, que visão fantástica, sou seu leitor assíduo por aprender muito aqui.

    Um abraço e grato mais uma vez pela aula e pela lembrança.

    VDC

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VdC e EP, seus respectivos posts estão entre os melhores da blogosfera, leitura obrigatórias para abrir o olho das pessoas. Vi isso tudo também. Se um dia fizerem um livro da blogosfera de finanças, esses dois posts tem que aparecer no livro.

      Excluir
  9. Executivo, já leu o livro "Poder", de Jeffrey Pfeffer?
    Ele fala exatamente disso - da política corporativa. Para alcançar posições mais altas conta mais como o chefe te vê do que a qualidade do seu serviço. Recomendo a leitura.

    Uma dúvida, você parece bem experiente, qual a sua opinião sobre os departamentos de RH? Tenho a impressão que é um depto sem vez, sem pulso e sem voz - apenas um setor de decoração mesmo. Gostaria de sugerir um post sobre o assunto ou saber sua opinião a respeito.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola anon - nunca li esse livro. Vou incluir na minha lista de proximas leituras.

      Minha opinião em relação ao RH é que se trata de um mal necessário. Vejo em geral um departamento mal estruturado e que nao consegue enxergar as necessidades dos colaboradores. Muitas vezes o pessoal de RH é refem das lideranças de outras areas que acabam burlando eventuais iniciativas de "meritocracia" nas empresas.

      Sem o departamento de RH, com certeza, as coisas seriam piores. Veja o caso dos funcionários publicos comissionados - eles sao exemplo de contratação, definição de remuneração, definição de objetivos e mensuramento de resultados sem acompanhamento do RH (fazendo uma analogia entre serviço publico e iniciativa privada).

      Um grande abraço,

      Excluir
  10. Engenheiro confuso29 de junho de 2017 21:42

    Parabéns pelo post. É exatamente isso que acontece.
    Tenho recebido méritos por solucionar problemas técnicos de grande gravidade na empresa. Na última conversa que tive com meu gerente ele, simplesmente disse: agora esta na hora do seu marketing, pense nisso!
    Quer que eu vire o "show-man". Não vejo saída para crescer mais na empresa. Vai começar o teatro.. Let's go!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola EC - tudo bem ? As vezes precisamos entender bem o momento - fazer o marketing do bom trabalho que voce realizou é uma parte importante de qualquer tarefa.

      Eu tinah um chefe que falava que o ovo de avestruz é muito maior do que o ovo de galinha e também é muito mais gostoso e tem maior valor nutricional; ou seja, o ovo de avestruz é melhor em tudo do que o ovo de galinha. Mas o avestruz nao sabe cacarejar ...

      Sempre achei isso meio engraçado, mas vejo que esse meu antigo chefe tem muita razao e uma excelente compreensao do mundo corporativo. Se voce fez um bom trabalho, nao pense duas vezes para divulgar isso ... se voce nao fizer, os seus concorrentes na empresa farão e voce nao será considerado em determinados momentos de promoção.

      O importante é aliar a divulgação de bons resultados com contatos estrategicos - tem que ter as "amizades" corretas na empresa. Amizades que te levem no caminho que voce planejou para sua carreira.

      Um grande abraço,

      Excluir
  11. só fui promovido uma vez, de peão de fábrica pra assistente, fiquei uns 3 anos de assistente e conseguia aumento de responsabilidade, mas nunca um cargo formal ou alguma promoção formal do tipo: parabéns, vc vai ser promovido para analista de x. era só; você agora vai fazer projeto x, você agora tem que me ajudar com função y, mas todo ano conseguia reajuste real bem acima da inflação, mas na CTPS foi sempre a mesma coisa.
    de assistente fui direto pra supervisor em outra empresa pois conhecia o gerente que me contratou e ele foi muito com minha cara. mas não dei muito certo como supervisor, gerenciar pessoas não é minha praia, mas como sou um bom analista de dados em 3 meses apareceu uma necessidade em um grande cliente, continuei como supervisor na CTPS porém fazendo um meio de campo com o cliente.
    hoje estou há 2 anos 2 dois meses na mesma empresa, nem sei que cargo tenho, mas sempre foco em análise de dados, hoje administro o sistema e faço análises financeiras e sob demanda. empresa pequena (<60 funcionários) sem perspectiva de ter um cargo real tão cedo, mas de um ano pro outro tive aumento real.

    o que me motiva é o dinheiro, com certeza, pois não tenho tesão em ser chamado de chefe nem de gerenciar ninguém. mas infelizmente o mercado não foi pensado para nós bons técnicos.
    a única coisa que tenho hoje é uma certa flexibilidade de horário, nem em férias posso pensar. já tive oportunidade de sair, mas pensei em ficar por aqui mesmo por enquanto e investir em alguns outros conhecimentos técnico e progredir naárea técnica. cara que mora no apê comigo é programador e ganhar mais de 10k, ou seja, não tem encheção de saco de gerenciar funcionário, é muito requisitado hoje (isso é bem verdade, o cara desde que conheci já mudou de empresa uma vez e recebeu uma proposta) e ganha mais do que muito chefe em algumas empresas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Vinicius - tudo bem ? Essa sua situação nao é confortavel (nao conseguir planejar as ferias, nao saber exatamente o cargo na CTPS, etc...). Hoje isso pode nao fazer diferença, mas no futuro pode trazer alguns inconvenientes.

      O importante é manter o pensamento na evolução profissional, mas concordo com o que voce disse: a evolução que interessa mesmo é a financeira. Eu trabalho por dinheiro e nao conheço pessoas que façam algo diferente. O cara pode adorar o trabalho dele mas nao vai fazer de graça ... trabalho voluntário a gente faz (ainda bem) em instituições sem fins lucrativos - e isso, definitivamente, nao é o caso das empresas onde trabalhamos.

      Um grande abraço,

      Excluir
  12. Esse é o problema das empresas que só premiam o sucesso profissional com uma promoção gerencial. Afinal se o cara é bom técnico, e gosta da área técnica, seria simples promover salário, dar mais responsabilidade, sem retirar da área técnica . O cara se mantém motivado e continua fazendo o que faz bem. Afinal saber fazer poucos sabem. A maioria é geração FGV que sai da faculdade querendo ser chefe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola anon - tudo bem ? Infelizmente, as empresas enxergam muito a carreira gerencial como a evolução do profissional (o ue sabemos nao ser verdade). Se o cara quer ganhar mais ele tem de assumir posto gerencial, caso contrario nao consegue evoluir financeiramente. Eu já ouvi em outras empresas sobre como um determinado cara tecnico ganhava mais do que o gerente da area ... isso ainda é resultado de uma visao distorcida e tirando poucas exceções, eu nao vejo uma mudança no curto prazo.

      Um grande abraço,

      Excluir
  13. Maravilhoso esse post, escancarou a realidade do mundo corporativo, tanto na iniciativa privada como na administração pública. A verdade é que nem todo mundo tem perfil pra exercer funções gerenciais, assim como também nem sempre é necessário ser o "amigão" dos superiores para conseguir uma promoção.

    Eu hoje sou chefe e posso afirmar que essa promoção veio principalmente pela forma como "vendi" meus trabalhos para as partes interessadas. Mesmo quando eu não era chefe, sempre fiz questão de fazer um trabalho técnico impecável e também de ter a oportunidade de apresentá-lo. Muita gente acha que basta fazer um trabalho tecnicamente perfeito que de alguma forma vão descobrir que foi você que fez...na verdade quem leva a maior parte dos créditos por um trabalho é quem está nos holofotes e não nos bastidores! Falei até um pouco sobre isso nesse post:

    http://ministrodoinvestimento.blogspot.com.br/2017/05/medo-de-falar-em-publico-um-destruidor.html

    Abraços!

    ResponderExcluir
  14. Excelente post. De forma geral descreve o que a maioria das pessoas suspeita porém não sabe explicar. Já passei exatamente pelo que o amigo VDC descreveu e já sou executivo há um tempo, assim como você.

    Gostaria de acrescentar um fator, que eu acho que potencializa essa situação no Brasil, em comparação a países mais desenvolvidos: para o brasileiro, ter um cargo mais importante e ascender na organização é proporcionalmente mais importante do que para um europeu, por exemplo, pois uma promoção significativa no trabalho pode realmente mudar seu padrão de consumo, ao passo que, em países mais desenvolvidos não há tanta diferença no padrão de vida de um analista e do diretor da empresa por exemplo. É muito comum eles morarem no mesmo bairro, poderem frequentar os mesmos restaurantes, os filhos podem estudar nas mesmas escolas, entre outros exemplos. Infelizmente a desigualdade no nosso país fomenta esse comportamento baseado na politicagem. Não estou dizendo que não existe no 1o mundo, mas pela minha experiência, é mais tranquilo...

    ResponderExcluir