sábado, 9 de maio de 2015

Histórico Profissional - Executivo Pobre

Olá Pessoal - tudo bem ?

Nesta postagem eu vou falar um pouco sobre o meu histórico profissional. Decidi fazer isso porque quando comentei que fui procurado por uma "headhunter", percebi que muitos colegas que sempre frequentam o blog tinham perguntas e curiosidades a respeito desse tema.

Alias, quero aproveitar e pedir desculpas aos colegas pois sempre frequento os blogs dos amigos, leio todas as postagens e na correria do dia a dia, eu acabo não comentando e as várias perguntas que tenho ficam na minha cabeça. Isso não é desculpa e vou tentar ser mais participativo e agregar nas discussões que sempre surgem nas postagens dos colegas da blogosfera de finanças.

Mas, voltando ao tema da postagem, vou falar um pouco do meu histórico profissional. Pretendo aqui falar um pouco da parte de educação formal, idiomas, entrevistas e processos de seleção que tive a oportunidade de participar e algumas situações que vivenciei no mundo corporativo. Pretendo fazer um resumo de tudo isso e, se caso alguma coisa nao ficar muito clara, podemos conversar nos comentários ou até uma nova postagem sobre algum tema especifico.

Eu costumo dividir a minha carreira em algumas fases, conforme eu explico na sequencia:

1 - Fase Estágio: eu comecei a trabalhar com 14 anos. Na época eu havia terminado o curso de Mecanica Geral no SENAI (comecei com 12 anos), menos por minha vontade e mais pela insistencia do meu pai que não deixou eu desistir do curso. Meu estágio foi em uma empresa de usinagem e eu trabalhava na area de qualidade. Na epoca, a empresa contratou dois estagiários (um colega do SENAI e eu) e havia apenas uma vaga para efetivação. Já nesse momento eu percebi como é importante a "primeira impressão" que os chefes e colegas de trabalho tem da gente.

Um caso que ilustra o que estou dizendo é que na segunda semana de estágio, ocorreu um grave problema de qualidade que afetou o cliente da empresa. Todas as peças foram devolvidas e precisavam ser selecionadas e retrabalhadas. Ninguem pediu ajuda nenhuma para os estagiários, até porque o retrabalho foi feito no periodo da noite e os estagiários não poderiam trabalhar no periodo noturno; mas eu apenas perguntei se poderia ajudar e caso fosse necessário eu estava disponivel para ficar até terminarmos o trabalho; enquanto o outro estagiário não comentou nada. Na pratica, ele não fez nada de errado - mas quando chegou a hora da efetivação eu acabei sendo escolhido e mencionaram que a minha iniciativa em me oferecer para ficar mais tarde acabou contando muitos pontos para efetivação.

Nesta epoca, o salário de estágio era muito baixo e, infelizmente, meu pai acabou ficando doente e nao podia mais trabalhar. Devido a gravidade da doença, minha mãe teve de sair do trabalho para cuidar do meu pai, pois foi realmente uma doença muito grave. Desta forma, apenas eu trabalhava em casa e meu salário de estagiário (que era muito baixo) acabava indo inteiro para pagar as contas básicas ... e sempre faltava dinheiro no final do mês. Acabamos recebendo ajuda da familia, inclusive com tias e avós levando cestas basica para ajudar nas despesas.

Felizmente, meu pai se recuperou e voltou a trabalhar. Neste meio tempo eu fui efetivado na empresa, mas ganhando um salário muito baixo. Quando meu pai percebeu o salário que eu estava ganhando, ele me disse para sair do emprego. Eu decidi aguardar pois havia uma negociação para eu receber um aumento e já estava na empresa há 08 anos (02 de estágio e 06 como efetivo); mas depois de enrolar por 5 meses o meu chefe chegou e disse que não podia me dar aumento porque a empresa nao estava em boa condição financeira, sendo que ele mesmo recebeu um aumento. Meu pai chegou e praticamente me obrigou a pedir demissão. Eu cheguei no meu chefe com a carteira de trabalho e pedi para sair da empresa; como eu também trabalhava como garçom em um bar/restaurante durante as noites, eu teria pelo menos alguma renda para me sustentar.

Nessa epoca eu já estava terminando o curso de Engenharia Mecanica e comecei a enviar CV, mesmo não tendo muita experiencia, fluencia em idiomas ou cursos de intercambio que as empresas exigiam nos anuncios.


2 - Fase Engenheiro Junior: como disse acima, eu comecei a enviar CV´s e fui chamado para algumas entrevistas. Nesta fase, eu senti uma especie de revolta pois eu estava com muita vontade de trabalhar e aprender e quando fazia as entrevistas, muitas vezes os entrevistadores faziam comentários maldosos (acho que faziam isso apenas para satisfazer o ego humilhando uma outra pessoa) e faziam exigencias extremas para vagas de auxiliar (exigiam Ingles, Experiencia na função, cursos de Desenho 3D, etc...). Muitos entrevistadores me falavam se eu não havia visto o perfil da vaga, pois eu não tinha nenhuma qualificação exigida. Chegaram a falar que com meu CV eu não conseguiria nada além de uma vaga de tecnico de SENAI, mesmo eu sendo Engenheiro formado em faculdade de primeira linha (UNESP) e que deveria continuar trabalhando de garçom mesmo (como se trabalhar de garçom fosse algum demerito).

Passaram quatro meses e eu havia feito 6 entrevistas e fui reprovado em todas elas (algumas com comentários desanimadores por parte da empresa, como eu falei acima). Fiquei muito desanimado e precisava muito trabalhar, pois o dinheiro que eu tinha guardado estava no final. Surgiu uma entrevista para uma empresa multinacional no segmento automotivo e eu fiz a primeira entrevista em uma consultoria. A consultora foi muito bacana e teve uma conversa muito aberta comigo; me deu dicas para entrevista na empresa, falou sobre como eu poderia aprimorar o meu CV e o que eu deveria enfatizar para chamar a atenção da empresa.

Fui para a entrevista e houve uma dinamica de grupo. Havia 12 pessoas para duas vagas disponiveis - todos mais velhos do que eu. Nesta hora, eu fiquei bastante intimidado com a experiencia e CV dos outros candidatos (houve uma auto-apresentação de cada candidato). Acabei não me destacando muito na dinamica, mas fui bem na auto-apresentação e o supervisor da area decidiu me chamar para uma conversa. Ele disse que nao sabia bem o que tinha sido, mas algo havia chamado a atenção dele. Eu reforcei que nao tinha muita experiencia, mas queria muito aprender e me desenvolver. Ele disse que me daria uma oportunidade e eu fui contratado.

Entrei na empresa e comecei a receber salário e beneficios melhores e, no mesmo momento, eu comprei meu apartamento e me matriculei no curso de Ingles. Trabalhei bastante, aprendi muito e fui avaliado como um profissional que excede as expectativas. Isso me motivou ainda mais e comecei a receber atividades de maior responsabilidade. Depois de dois anos, meu chefe falou que nao tinha conseguido um aumento apesar de eu estar desempenhando função de engenheiro pleno e estar com salário de engenheiro junior - e para eu não sair totalmente no prejuizo, eu fiz uma proposta de em vez de receber aumento, a empresa pagar meu curso de Ingles. Como eles aceitaram pagar o curso, eu mudei de escola e fui para uma escola muito melhor do que a anterior (e mais cara também).

Depois de alguns anos trabalhando, a empresa me mandou para a Argentina onde eu desenvolvi um projeto de 06 meses com os hermanos. Foi uma oportunidade incrivel e eu aprendi muito, porque como a fabrica estava em inicio de produção na Argentina, qualquer problema que ocorria com fornecedores, eu me encarregava de resolver. Aprendi muito não só sobre a parte de Engenharia, mas também na parte de Compras / Logistica / Planejamento de Produção e Finanças. E também aprendi a torcer para o Boca Juniors - o melhor time da Argentina ... rsrsrs

Com a melhoria no idioma e também com muito mais experiencia e conhecimento, eu fui transferido para o setor de avaliação de fornecedores. Comecei a ter contato com muitas empresas e receber propostas para ir trabalhar em outros lugares. Eu não aceitei nenhuma, mas conquistei muitos contatos comerciais.

Depois de 05 anos trabalhando nesta empresa, um colega de trabalho aceitou uma proposta de uma outra empresa do setor automotivo. Chegando lá, a empresa precisava contratar outros funcionários e ele me indicou. Me chamaram para fazer uma entrevista e me fizeram uma proposta. Como eu estava trabalhando, eu não aceitei a proposta inicial e pedi quase o dobro do que eu ganhava. Depois de duas semanas, eles acabaram aceitando minha pedida e eu troquei de emprego para receber um salário maior e negociei que esta empresa iria pagar minha pos graduação.


3 - Fase Pleno / Senior: Nesta nova empresa, eu comecei trabalhando na area de Engenharia de Qualidade de Fornecedores que era, basicamente, a mesma atividade que eu fazia na empresa anterior. Fiquei dois anos fazendo esta atividade (enquanto fazia o MBA) e depois fui convidado para coordenar o lançamento de novos projetos. 

Nesta mesma época, houve uma troca na liderança do departamento e veio um americano para a vaga de Diretor de Engenharia de Qualidade. Quando esse Diretor chegou no Brasil, ninguem deu muita atenção para ele e meu gerente percebendo isso, convidou esse Diretor para fazer um passeio pela cidade no final de semana. Esse meu gerente era o maior puxador de tapete na empresa, um cara sem carater nenhum ... quando ele viu que os outros gerentes nao gostaram dele ter convidado o chefe para fazer um passeio fora da empresa e aquilo estava parecendo uma puxada de tapete nos demais, ele inventou uma desculpa e disse que nao poderia ir naquele final de semana.

Como eu tinha evoluido bastante no Ingles, achei que aquilo seria uma excelente oportunidade para praticar um pouco mais e testar se eu realmente conseguia me comunicar com um americano. Então, como eu estava perto deles quando meu chefe foi dizer que não poderia levar o Diretor para o passeio porque tinha acontecido um imprevisto, eu me ofereci para levar ele. O Diretor adorou a ideia e aceitou; meu chefe também gostou porque ele não ficava mal nem com os outros gerentes nem com o Diretor que era chefe dele. Acabei ficando amigo deste Diretor e também de sua familia. Começamos a viajar em alguns feriados e conversar bastante sobre as diferenças entre o Brasil e os EUA. Eu praticava o Ingles e ainda ganhei um contato muito importante na empresa. 

Depois de 3 anos, esse Diretor foi promovido a Vice Presidente de Compras e Logistica e me convidou para ir trabalhar com ele na nova area. Eu aceitei e fui trabalhar por 03 meses na Coreia do Sul para aprender algumas atividades.


4 - Fase Supervisor / Gerente: Na volta, eu fui promovido a supervisor e tive oportunidade de começar a negociar comercialmente com diversas empresas e fazer ainda mais contatos. Como eu desenvolvi projetos que deram bons resultados de redução de custo, depois de mais 2 anos eu fui promovido para gerente. E neste momento, eu vi que muitos não gostaram pois eu era um dos gerentes mais novos da empresa e eles falavam que eu fui promovido apenas pela minha amizade com o vice presidente. Comecei a ser sabotado em diversos projetos: os outros gerentes decidiam coisas e nao me comunicavam, colocavam datas que eu deveria entregar projetos e eu nao era informado desses projetos e coisas do tipo. Eu fui conversar com o vice presidente e expliquei a situação para ele; ele me deu diversos conselhos e eu fui conseguindo entregar os projetos e obter bons resultados. Ao mesmo tempo, a rotina de ter de se preocupar em entregar os projetos e ao mesmo tempo se preocupar em não ser atacado pelos outros, ficou muito estressante. Comecei a ficar de saco cheio e decidi trocar de emprego.

Neste meio tempo, enquanto eu atualizava o CV e sondava o mercado, esse Vice Presidente quase foi mandado embora e teve de voltar as pressas para os EUA para tentar se segurar no emprego e na empresa.

De uma hora para outra, eu perdi o apoio politico que tinha na empresa e as coisas começaram a ficar mais dificeis para mim, apesar dos bons resultados que eu estava obtendo ano após ano. A minha equipe foi a unica que atingiu todas as metas durante os anos que eu estive como gerente. Porém, o novo Vice Presidente sabia que eu tinha amizade com o antigo chefe e começou a me tirar dos projetos mais importantes. Na verdade, ele começou a fazer isso com todos que tinham alguma ligação com o chefe antigo e começou a trazer o pessoal que ele tinha mais confiança. Isso, infelizmente, é normal nas empresas; mas eu vi que de uma hora para outra estava sem participar de projetos importantes e vi que também nao teria oportunidades de crescimento, pelo menos no curto prazo.

Decidi então acelerar o processo de busca por um novo emprego e fiz mais algumas entrevistas que eu dividi aqui com voces no blog; até que recebi a proposta da empresa do segmento de energia eolica que eu decidi aceitar. 

Estou nesta nova empresa há alguns meses e estou bastante motivado com os novos projetos e com o time que eu trabalho. Todos parecem muito bacanas e o time é bem unido. Já consegui identificar algumas pessoas de outras areas que tenho de tomar cuidado, mas por enquanto as coisas estão indo muito bem.

Continuo recebendo algumas sondagens do mercado e sempre atento a novas oportunidades, pois tenho sempre muito claro que o emprego tem que ser bom para mim também; não pode ser bom só para empresa. Ja vi muitos colegas que viviam para o trabalho e foram demitidos sem a menor consideração por parte da empresa - muitos tiveram de ir pegar suas coisas na mesa com um segurança do lado (coisa humilhante), com a desculpe de que poderiam pegar alguma informação sigilosa da empresa - acho este tratamento uma falta de consideração enorme com um funcionário que perde noites e final de semana trabalhando.


5 - Considerações: minhas considerações e recomendações para quem está iniciando sua carreira profissional é que tenha em mente que o caminho é longo e tortuoso, e também está cheio de gente mau carater para tentar te derrubar. Eu vi isso acontecer diversas vezes, então a pessoa não pode ser ingenua e achar que todos são seus amigos e ninguem vai falar mal de voce ou tentar puxar o seu tapete.

Outra coisa que acho muito importante é alinhar a expectativa. Nao adianta achar que vai entrar na empresa e vai virar preseidente no dia seguinte. O organograma é sempre uma piramide e poucas pessoas chegam no topo - e os que chegam é menos por mérito e muito mais por sorte e politica interna, além dos contatos que voce desenvolve ao longo da vida. Claro que tem caras extremamente tecnicos que chegam ao topo do organograma por merito profissional, mas eles são exceções. A maioria chega atraves dos contatos e politicagens internas, e se o seu objetivo é chegar ao topo, tem de fazer um bom trabalho tecnico e também ter bons contatos com quem decide as coisas na empresa.

Para desenvolver contatos voce tem de ser util para a outra pessoa. Se voce nao pode oferecer nada para a outra pessoa, ela nao vai gastar o tempo dela e a "munição" recomendando voce para uma promoção ou aumento de salário. É uma troca bem clara - voce tem de servir para algo. Se voce só faz seu trabalho ainda que muito bem, voce nao será um contato do seu chefe, pois ele nao precisa desesperadamente de voce. Muitas pessoas acham que vao ser promovidas se fizerem bem o seu trabalho - ISSO É MENTIRA !!! A empresa acha que voce já é pago para fazer bem seu trabalho. E também não é ficando horas e horas no escritório para mostrar que voce trabalha mais do que os outros - o que interessa mesmo é: quantos problemas voce leva para seu chefe ? Se voce leva problemas para seu chefe, voce nao vai ser promovido. Chefes nao gostam de problemas. Por isso, muitas vezes voce vai ver um cara incompetente sendo promovido - ele podia ter um monte de problemas mas, com certeza eram problemas que nao prejudicavam o chefe. Eu tive um mentor que sempre me dizia: o seu trabalho é não deixar a bunda do seu chefe na janela.

Tem de investir em idiomas - se nao tem dinheiro para fazer um curso, estude pela internet. Faça amigos estrangeiros no facebook e fale com eles por skype. Se voluntarie para ensinar portugues para um estrangeiro em troca de ele também te ensinar um idioma.

Tente sempre negociar com a empresa sem pensar somente na remuneração - muitas vezes, voce nao consegue um aumento de salário, mas pode conseguir que a empresa pague um curso de idiomas ou pos graduação - sempre tente achar alternativas de negociação.

Procure nao somente fazer seu trabalho bem feito, mas procure também vender o seu trabalho. Já dizia Raul Seixas: a formiga trabalha porque não sabe cantar. Então, não adianta voce fazer um trabalho genial se o seu chefe nao ficar sabendo; mais do que isso, o chefe do seu chefe tem que ficar sabendo (senão , seu chefe pode vender seu trabalho como sendo dele).

Quando for fazer um trabalho, faça bem feito. Antes de chegar a cargos mais altos voce tem de ser a referencia no que voce faz. Um indicativo é quando as pessoas te procuram para tirar duvidas - inclusive, as pessoas de outras areas. Se elas te procuram, sinal de que enxergam em voce um profisisonal com credibilidade para esclarecer duvidas. Então, procure sempre se atualizar e adquirir novos conhecimentos. Estude sempre e faça sempre um trabalho bem feito - não aceite serviço meia-boca.

E nao tenha a vida toda voltada ao trabalho. O trabalho tem que ser um meio de vida - procure sempre boas oportunidades e salarios maiores; mas lembre que se voce gastar tudo o que ganha, vai ter que trabalhar para sempre. Procure separar parte do seu salário e investir para atingir a sua independencia financeira - afinal é isso que todos os colegas da blogosfera estão fazendo !!! Desta forma, além de poder curtir a vida, fazer viagens para lugares que voce sempre quis conhecer, frequentar restaurantes e ir a shows, fazer passeios e ir a eventos esportivos, se dedicar a um hobby ou simplesmente ficar batendo papo com os amigos - voce também vai depender menos do trabalho e poder se rebelar quando voce encontrar um fdp no seu trabalho - e sem querer desanimar ninguem, voces vao encontrar vários durante sua trajetória profissional.

Sei que ficou muito longo, mas tentei colocar os principais pontos da minha trajetória até agora, além de algumas experiencias pessoais. Se tiverem curiosidade de mais alguma coisa, por favor perguntem nos comentários que eu respondo ou faço uma nova postagem com os assuntos que voces abordarem.

Valeu pela paciencia pessoal. Um grande abraço.

35 comentários:

  1. Muito legal o seu relato, sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Bela história, camarada. As pessoas mais bem sucedidas que eu conheço também começaram a trabalhar desde criança, como você fez.

    A parte que você falou de ser mandado embora e ter que limpar sua mesa acompanhado de um segurança me lembrou de um senhor que eu conheço... que depois de 25 anos trabalhando na Vale foi demitido por telegrama. TELEGRAMA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Seu Madruga - eu acho que hoje em dia, com essa coisa do camarada começar a trabalhar somente quando termina a faculdade, essa geração é muito menos comprometida e responsavel do que as anteriores. Eles passam a enfrentar as dificuldades do dia a dia muito tarde - essa é a minha opinião. Nao acho que deveriam começar com 14 anos; mas começar a trabalhar em meio periodo a partir dos 16 anos eu acho que é uma atitude muito saudável.

      Agora sobre a postura das empresas na hora de demitir um funcionário, eu acho que no Brasil as empresas tem uma postura muito desumana (além de muitas vezes, uma postura ilegal). É inadmissivel voce demitir alguem por telegrama, quem faz isso devia ser preso e pagar uma multa muito pesada. A empresa tem de respeitar o ser humano em qualquer ocasião. Isso vale tambem para postura de alguns lideres com seus funcionários: as vezes não demitem, mas humilham e praticam assedio moral o tempo todo.

      Quem sabe um dia chegaremos a um nivel de pais desenvolvido ? Eu tive a oportunidade de trabalhar algumas semanas em diversos paises e vi que em lugares desenvolvidos a coisa é bem diferente. Infelizmente, eu acho que não chegaremos nunca nesse estagio de desenvolvimento.

      Vou incluir seu blog aqui na blogroll, se puder fazer o mesmo fico agradecido.

      Um grande abraço e obrigado pelo comentário.

      Excluir
    2. Concordo plenamente contigo, quem vive às expensas dos pais até concluir a faculdade, sem nunca nem ter feito nem um estágio, tem uma propensão muito grande a ter uma visão distorcida da realidade. A pessoa tende a achar que notas boas na faculdade significam boas chances de arranjar um emprego ou passar num concurso, quando na verdade a correlação entre uma coisa e outra é muito baixa.

      A pessoa termina a faculdade sem noção da diferença entre teoria e prática, sendo um peixinho nesse mar de tubarões chamado iniciativa privada, ou entra no mundo dos concursos públicos sem ter dimensão do esforço sobre-humano que se exige hoje em dia para se conseguir entrar em um cargo que pague mais de 4k.

      Não são poucas as pessoas que conheço que estão chegando perto dos 30 anos e não estudam nem trabalham. Alguns estão realmente abatidos por se sentirem incapazes de gerar renda, outros simplesmente não dão a mínima e continuam vivendo na base do paitrocínio.

      Já te incluí no blog roll. Valeu!

      Excluir
    3. Tenho exatamente um caso como esse na familia. A pessoa tem 32 anos de idade, fala diversos idiomas, fez intercambio por varias vezes, tem duas graduações; mas nunca trabalhou e quando vai procurar emprego quer começar com algo que pague R$8.000,00 / mês ou acima.

      Como uma pessoa que nunca trabalhou quer ganhar isso ??? E também acha um absurdo fazer estagio para ganhar uma experiencia. Em resumo, a pessoa fica o dia no facebook e acompanhando series de TV, enquanto os pais sustentam com uma mesada gorda.

      Um grande abraço,

      Excluir
  3. Respostas
    1. Valeu Rondon - muito obrigado pela visita e pelo comentário.

      Um grande abraço,

      Excluir
  4. Que bonita História Executivo,
    Fiquei muito sensibilizado com a situação delicada do seu pai na época mas tb bastante revoltado com a má fé do teu chefe. Pq ele te enrolou tanto pra no final dizer que não lhe daria aumento? Sacanagem!

    Estou feliz por vc ter chegado até aqui e com boas lições pra passar aos seus filhos. Sucesso sempre !

    Abracos,
    S&P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá S&P - tudo bem ?

      Realmente o problema de saude do meu pai foi muito grave e afetou fortemente toda a familia; tanto na parte psicologica como na parte financeira; mas ele se recuperou e está muito bem hoje.

      Quanto a esse meu antigo chefe (um dos primeiros), eu nunca mais tive contato e fiquei bem chateado com a condurta dele na epoca. Depois, com mais experiencia e trabalhando com outros chefes, eu verifiquei que essa postura é mais comum do que a gente imagina - tá cheio de gente assim no mundo corporativo.

      Mas valeu o aprendizado para eu tentar nao fazer a mesma coisa com meus funcionários. E vamos sempre aportando para poder um dia trabalhar menos (e conviver menos com pessoas de ma indole) e passar mais tempo com as pessoas que gostamos.

      Um grande abraço,

      Excluir
  5. A vida não sorriu para você sem razões . Parabéns ep

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, muito obrigado TL. Queria colocar esse relato porque as pessoas muitas vezes pensam que é só entrar na faculdade e já vão conseguir um emprego com um salário muito alto, vão viajar e comprar o que quiserem ... e na vida real, a situação é muito diferente.

      Tirando os pontos fora da curva, para ser promovido é preciso além da competencia tecnica, também uma boa dose do fator politico e um pouco de sorte.

      Um grande abraço,

      Excluir
  6. Inspiradora sua história, gostei das dicas! Abraço.
    Anon graduando de engenharia mecanica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá anon - que bom que gostou das dicas. Eu procurei ser bem verdadeiro e colocar as coisas como elas acontecem na prática. Boa sorte na sua graduação em Engenharia.

      Um grande abraço,

      Excluir
  7. Parabéns pela publicação de sua carreira no seu blog, em empresa privada o crescimento para ser um pouco com dependência menor do quem indica e mais por mérito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá BF - tudo bem ? Com certeza em uma empresa privada se comparada com empresas publicas - a promoção é mais pelo merito do que pela indicação. Mas isso somente porque na empresa publica a promoção é 100% por indicação politica.

      Eu diria que se fosse colocar em um percentual entre peso tecnico e politico em uma promoção - eu seguiria os seguintes padrões:

      Estagiário: 90% Tecnico / 10% Politico
      Nivel Junior: 75% Tecnico / 25% Politico
      Nivel Pleno: 70% Tecnico / 30% Politico
      Nivel Senior: 50% Tecnico / 50% Politico
      Nivel Coordenador: 45% Tecnico / 55% Politico
      Nivel Supervisor: 45% Tecnico / 55% Politico
      Nivel Gerencia: 40% Tecnico / 60% Politico
      Nivel Diretor: 30% Tecnico / 70% Politico
      Nivel Vice Presidente: 20% Tecnico / 80% Politico
      Nivel Presidente: 10% Tecnico / 90% Politico

      O problema é que quanto mais alto o cargo e menor o peso do lado tecnico, as pessoas acham que podem ter resultados mediocres porque contam apenas 30% ou 20% para promoção. Mas esquecem que se não tiverem resultados excelentes, esses 30% ou 20% vão fazer falta, porque todas as indicações politicas tem seu padrinho tentando emplacar o candidato.

      Um grande abraço,

      Excluir
  8. Muito legal seu relato! E parabéns por sua trajetória de vida!
    Aprendi também as duras penas como é importante a questão política quando vc está "entre as cabeças".
    Quanto a questão de vc oferecer algo de valor para seus superiores para ser promovido, é a mais pura verdade! Isso também acontece quando vc é empresário e precisa captar clientes. Muita gente pensa que basta vc oferecer um bom produto, preço e atendimento que as pessoas vão comprar com vc. Mas muitos clientes, principalmente os de peso, acabam comprando em uma certa empresa devido a uma boa troca de valores com a mesma antes da compra ter acontecido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é anon - apesar de ser ilegal e anti-ético, o pagamento de valores ou a prestação de favores é algo comum para acabar ganhando um contrato em uma concorrencia de compras.

      Uma vez tive de demitir um funcionário por esse motivo. Ele criou um vinculo com um fornecedor e começou a frequentar jogos de futebol no camarote da empresa (até ai estava dentro da politica permitida da empresa). Depois de um tempo, verificamos que ele passou a viajar frequentemente e passar as ferias sempre em lugares badalados (Paris, Londres, Munique, Nova York, etc...) - sabendo que o salário dele não era compativel com esse tipo de gasto todo ano, a empresa abriu uma investigação e comprovamos que ele recebia 0,7% dos contratos que ele fechava com determinada empresa. Infelizmente, tive de demitir um cara que tinha muito potencial para subir na empresa, mas se deixou levar pelas ofertas de dinheiro fácil. E também perdemos um fornecedor porque cancelamos todos os contratos com a empresa.

      Um grande abraço,

      Excluir
  9. Uma pena que no serviço público não vemos isso. 90% das vezes, como voce disse, para chegar a presidencia, depende muito de meio político. E digo que a repartição pública é uma merda (incompetencia, excesso de burocracia, desvalorização, falta de motivação) por coisas assim. Pode reparar que a maioria desses cargos políticos o pessoal dentro dele são incompetentes. Ministros do transporte, Saúde, Educação, etc. Tudo se baseia nessas horas no QI e apadrinhamento político e não por mérito como ocorreu no seu caso. PArabéns!

    Amon-Ra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente o serviço publico no Brasil nao é um lugar excelente para desenvolver a carreira - claro que tem os cargos que pagam muito bem e acabam atraindo bastante mão de obra qualificada; mas estes casos são exceções. A maior parte acaba sendo um trabalho desmotivante e burocratico. Quem sabe um dia chegamos a um nivel de pais desenvolvido e começamos a alocar as pessoas de acordo com suas competencias tecnicas ? E outra coisa que tem que ocorrer é acabar com a estabilidade no funcionalismo publico.

      Um grande abraço,

      Excluir
  10. Excelente post, EP.

    Gostei da clareza como você divide sua trajetória profissional e também da parte de considerações finais. Uma verdadeira aula do mundo corporativo.

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado AP - a ideia é exatamente dividir um pouco da experiencia que eu adquiri no mundo corporativo. Gosto muito quando os colegas dividem as suas experiencias pois sempre aprendemos um pouco e decidi dar a minha colaboração também.

      Um grande abraço,

      Excluir
  11. Gostei muito do texto, parabéns pela trajetória! Também sou engenheiro, é bem inspirador. Só fiquei curioso com uma coisa: Qual é sua idade atual?

    Abraços.
    Luiz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou na faixa entre 30 e 34 anos. As vezes, evitamos de falar a idade exata na internet para evitar a identificação, já que postamos o valor do patrimonio e tudo o mais.

      Um grande abraço,

      Excluir
  12. É por causa dessas politicagens e sabotagens que muita gente procura o serviço público. Pode haver tédio, burocracia, incompetência, mas o chefe não pode mandar embora por motivos idiotas ou caprichos. Essa é uma das pequenas vantagens dos concursos.

    Entretanto, não quero ser funcionário a vida toda, pois é maluquice. Pretendo continuar só por mais 10 anos, juntar meus fiis e ações e depois viver do meu jeito, sem stress, sem panelinhas etc.


    No mais, seu post foi ótimo, serviu para mostrar um pouco como é a vida em grandes empresas.


    Abraços,

    Ex Socialista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ser funcionário publico tem grandes vantagens - a estabilidade é apenas uma delas. A carga de trabalho bem menor do que iniciativa privada é outra vantagem, a aposentadoria em regime especial é outra, etc...

      A questão de ficar ou nao no serviço publico depende muito de um planejamento de vida - eu conordo plenamento com seu planejamento em relação a juntar um patrimonio que gere renda passiva e ai dedicar seu tempo as coisas que voce gosta, sem se preocupar com contas, sem stress ou pressão do trabalho ... é o que eu pretendo fazer também.

      Um grande abraço,

      Excluir
  13. Belo relato! Sou novo na blogosfera de finanças. Vou incluir você na minha lista.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado capitalista - já inclui voce aqui no blogroll também.

      Um grande abraço,

      Excluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belo depoimento "Executivo Pobre"
      Realmente sofri tudo isso que você falou kkk a diferença é que quem ficou rico foi o chefe!! Mais um entre os vários motivos que me fizeram entrar para o universo das finanças.

      Excluir
  15. Parabéns Executivo.

    Tu é exemplo pra muitos marmanjos inclusive a mim uhauas.
    Uma bela história de vida a sua, concerteza inspirará muitos.
    Grande abraço e sucesso em seus objetivos.

    ResponderExcluir
  16. Tens um excelente CV. E vai crescer mais. Parabéns!

    ResponderExcluir
  17. Executivo, n pensa em sair do Brasil? Talvez morar na Alemanha.... o que te prende aqui?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoraria morar na Alemanha ou em algum outro pais da Europa. Hoje, eu nao tenho filhos nem nada que me prende ao Brasil. A dificuldade está em encontrar uma colocação fora do Brasil que oferece o visto de trabalho para voce - nos EUA é quase impossivel. Na Europa também é bem dificil, por isso eu estou com o processo de cidadania portuguesa para ter acesso a Europa como cidadão e eliminar a burocracia de visto de trabalho.

      Mas como estou de saco cheio do Brasil, eu comecei a candidatar para diversas vagas fora do pais mesmo sem visto de trabalho. Vai que alguma empresa se interessa e decide me contratar e ajudar com a documentação do visto - ai é só comemorar !!!

      Um grande abraço.

      Excluir
  18. Oi EP.
    Sou nova na blogosfera e adorei o seu relato! Meus parabéns pela trajetória!
    Que vc continue nessa ascendência!

    ResponderExcluir